terça-feira, 5 de abril de 2011

O que quero quando a morte bater a minha porta...

A morte!  Uma realidade temida e detestada por muitos. Está sempre nos rodeando, tirando do nosso convívio pessoas que amamos. Nos sentimos uma formiguinha perante ela, pois nada podemos fazer, a não ser lutar com todas nossas forças enquanto tiver um fio de esperança de vida.

Isso acontece, vemos isso a olhos nus quando acompanhamos alguém na nossa família em seu leito de morte. Dói, massacra, sangra, as vezes chega a nos revoltar. Brigamos, questionamos a Deus. Vacilamos na fé, esperneamos, nos debatemos até cansarmos. Sem outra alternativa, aos poucos vamos aceitando  a realidade da morte. Vimos que somos nada e que tudo está nas mãos de Deus.

Diante da morte, refletimos sobre nossa vida, como estamos cuidando da nossa saúde, como estamos aproveitando cada instante que Deus nos permite estar aqui nessa vida terrena. Quando li o texto abaixo, no blog da Sheila, concordei com muita coisa sobre o último discurso de Martin Luther King, também penso muito em minha morte, as vezes me sinto tomada de um profundo desejo de ter esse encontro com Deus, fico imaginando como será lindo, chego a suspirar profundo.

Se tiver a oportunidade quero deixar escrito(aliás, já estou deixando srsrs) como deve ser meu funeral, sem lamentações, desesperos.

Quero um velório com musicas, orações, silêncio. Nada de conversas paralelas, piadas. Quero que meu velório seja um grande acontecimento catequético. Quero ser lembrada pelo amor que espalhei, pelas coisas boas que Deus fez através de mim, pelas pessoas que ajudei levar pra Deus.

Desejo firmemente que minhas faltas, meus erros sejam esquecidos, encobertos por minhas obras boas.

Quero salvar muitas almas através do meu sofrimento. Quero que depois de minha morte, na primeira oportunidade, façam por minha alma a indulgência plenária, que aproveitem todos os meus órgãos sadios, proporcionado vida a outros. Quero encarar a morte como São Francisco, a chamando de minha irmã morte. Quero que Deus não me deixe morrer sem receber os sacramentos.

Quero, se for essa a vontade de Deus, viver por muito tempo ainda, fazendo o bem aqui na terra, evangelizando a muitos. Quero ser uma pessoa melhor e ter uma morte feliz. No momento estou com o coração exultante de falar sobre a morte e espero ter esse mesmo sentimento quando ela bater à minha porta.

Quero poder dizer: "Sim, pode entrar, mas me dê um tempinho, para eu me preparar". Quero ser forte. 
Quero tudo isso, mas com um detalhe, se for  ESSA A VONTADE DE DEUS.

O último discurso de Martin Luther King

 
(1929-1968)

Freqüentemente imagino que todos nós pensamos no dia em que seremos vitimados por aquilo que é o denominador comum e derradeiro da vida, essa alguma coisa que chamamos de morte.

Freqüentemente penso em minha própria morte e em meu funeral, mas não num sentido angustiante.

Freqüentemente pergunto a mim mesmo que é que eu gostaria que fosse dito. Então deixo aqui com vocês a resposta.

Se vocês estiverem ao meu lado, quando eu encontrar o meu dia, lembrem-se que eu não quero um longo funeral.

Se vocês conseguirem alguém para fazer a oração fúnebre, digam-lhe para não falar muito, para não mencionar que eu tenho trezentos prêmios (isso não é importante), para não dizer o lugar onde estudei.

Eu gostaria que alguém mencionasse aquele dia em que eu tentei dar minha vida ao serviço dos outros, eu tentei amar alguém, eu tentei visitar os que estavam na prisão, eu tentei vestir um mendigo, eu tentei amar e servir a humanidade.

Sim, se quiserem dizer algo, digam que EU FUI ARAUTO (*), arauto da justiça, arauto da paz, arauto do direito. Todas as outras coisas triviais não têm importância.

Não quero deixar atrás nenhum dinheiro, coisas finas e luxuosas.

Só quero deixar atrás uma vida de dedicação.

E isto é tudo o que eu tenho a dizer: SE EU PUDER ajudar alguém a seguir adiante, animar alguém com uma canção, mostrar a alguém o caminho certo, cumprir o meu dever de cristão, levar a salvação para alguém, divulgar a mensagem que o Senhor deixou, então MINHA VIDA NÃO TERÁ SIDO EM VÃO.
(Martin Luther King era pastor americano e morreu baleado por lutar contra o racismo nos EUA.)

(*)Arauto é qualquer pessoa que apregoa, isto é, trata-se de um mensageiro.

2 comentários:

  1. Ai, amiga posso fazer minhas as tuas palavras? Sabe o pe. Fábio de Melo, costuma dizer que a vida que a gente leva é a morte que a gente encontra... Dou graças a Deus pela Sua misericórdia infinita que a cada dia nos dá uma nova chance de recomeçar, buscar ser melhor para os outros para qdo chegar esse momento, levar em nossas mãos boas obras.
    Paz e Bem!

    ResponderExcluir
  2. OI..na realidade lendo esse seu texto me fez lembrar o velório da mamãe que foi assim com músicas e orações (é estranho dizer mas foi lindo )mas olha ,com certeza tem muito a produzir ainda viu...a alegria é perceber que a morte não é nossa inimiga ,nós temos é dificuldade de aceitá-la,porém com as perdas e amadurecimento de nossa fé,vamos caminhando para aceitá-la.
    bjs
    Ângela Rita

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre muito importante!
Não conseguiu comentar?? Calma, não saia ainda, escolha e opção ANÔNIMO e não esqueça de se identificar no final de sua mensagem!
Viu só, que fácil! Volte sempre!