segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Encerramos o mês de janeiro pedindo a intercessão de  São João Bosco, por nossa juventude. Ele que é patrono dos jovens e  aprendizes. 
Amo conhecer as histórias dos Santos. Dom Bosco deixa para nós catequistas muitas lições, mas deixo essa para refletirmos um pouquinho:  Dom Bosco agia rápido, acompanhou a ação do seu tempo e viveu o modo de educar, que passou à humanidade como referência de ensino chamando-o de "Sistema Preventivo de Formação".
Tem essa frase também muito rica: "Reprovemos os erros, mas respeitemos as pessoas"

Dom Bosco!
rogai por nossos jovens!


Catequistas AUDACIOSOS ou AVENTUREIROS

 Não confunda AUDÁCIA com AVENTURA.
Audacioso é aquele que planeja, organiza, estrutura e vai...
Aventureiro é quem diz: "Vamos que vamos e veremos no que dá"

A CORAGEM é o enfrentamento do MEDO

Bom dia!
Uma semana abençoada pra você que passa poraqui!

Estou lendo, relendo, tentando na verdade me fortalecer, me sentir um poquinho mais segura para encarar os chamados   em 2011. Eu, Imaculada, até que engano bem, quem me vê à frente de um trabalho, atrás de um microfone, pode até pensar que sou uma pessoa segura, mas não sou. Tento de todas as formas me esquivar quando sou chamada para algo novo. Às vezes, me sinto  mais "sapo do buraco" que tudo, que só depois de uns bons cutucões é que me ponho a "pular" e até concordo com essa fábula, de que precisamos dar alguns pulinhos para perceber quanta coisa linda existe no mundo lá fora, mas às vezes dá uma vontade enorme de fingir de morta, ficar quietinha no meu mundinho. Mas, descobri uma coisa, não sou dona de minhas vontades.

Até dizem que CORAGEM não é ausência do medo. A coragem é o enfrentamento do medo. Corajoso é aquele que enfrenta o medo e não admite que este sentimento se transforme em pânico ou em inação, em imobilidade. Mudar é complicado, sem dúvida, mas acomodar é perecer.  É dificil responder com um Sim, quando o que queremos é responder com um Não bem redondo. Mas um SIM, mesmo com medo, pode nos trazer mais alegria, do que um NÂO com coragem, esse trás um mal estar, um sentimento de fracasso.

Já ouvi essa fábula um monte de vezes, precisei dela hoje, ouça e  permita-se ser "sapinho sapeca".

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Participem!




Bom dia queridos catequistas!
Que a graça e a paz do Senhor esteja convosco!!
Estamos sendo bombardeados por todos os lados sobre
Iniciação à vida cristã ou simplesmente catequese de inspiração catecumenal.
Você já parou para se perguntar  o que realmente vai significar tudo isso em sua caminhada catequética?
Deixando de lado conceitos/preconceitos, teorias, eu pergunto a cada um de vocês: O que realmente você sente que precisa mudar no seu jeito de catequizar para se aproximar mais desse novo modelo?
Penso que seria importante partilharmos nossas idéias, nossas dúvidas, nossos anseios, pois é nos apoiando uns nos outros, que teremos mais força, coragem e ousadia para transformarmos a nossa catequese  e conduzirmos os nossos catequizandos a uma  verdadeira iniciação a vida cristã.
Aguardo sua resposta. Tenha dias abençoados!
Abraços!

Rosangela Tamaoki - Londrina/Pr

Pertinente essa pergunta da Rosangela.  Não precisa descabelar, pensando que a maneira como conduz seu encontro está totalmente errado. Não se trata disso. Trata-se de melhorar, atualizar aquilo que já fazemos.  
Existem iniciativas lindas, ricas de catequese por esse Brasil.
É gratificante ver que existem tantas cabeças pensantes, estudando meios que nos ajude, que nos oriente.  Tantos documentos, diretórios, estudos da cnbb, subsídios, tudo para abrir nossos olhos, ouvidos e corações. Não estamos sozinhos, temos um forte aliado: O Espírito Santo.
A pergunta da Rosangela está aberta. Acho que podemos nos ajudar e muito. O que não podemos é nos acomodar.



Anunciando na praia...

 Outro dia, conversava com Leonardo, um jovem catequista da minha paróquia. Entusiasmado, me contava as maravilhas que Deus realizou, enquanto faziam missões na praia. Hoje sei que isso existe em muitos lugares, mas até então, eu não conhecia esse trabalho. Fiquei imaginando, jovens, anunciando  Jesus para pessoas que estavam desfrutando de suas férias. Um desafio e tanto. Achei lindo, quando ele me contou, que anunciou para um casal evangélico e que o homem não deu muita atenção, mas que a esposa  foi atrás dele para que ele a ensinasse a rezar a Ave Maria.  Esse jovem, catequista missionário, partilha conosco essa experiência tão linda!
Obrigada Leonardo! Que Deus  ilumine sempre sua caminhada. (Imaculada)


"AMADOS!

Gostaria de falar um pouco sobre o projeto JESUS NO LITORAL, aqui no estado de São Paulo, é o segundo ano que acontece, jovens de todo canto do estado e até de outros estados, se reúnem para evangelizar na praia, deixam de lado, família, conforto, e saem em missão. DEUS faz muito através desse “ SIM “ de cada jovem, essa edição estávamos em 170 missionários e  quero partilhar uma experiência  dessa missão; quando saímos debaixo de chuva pra evangelizar, confesso que fiquei meio nervoso, pois fiquei doente nesses dias e sempre tomando chuva, mais uma força me impulsionava e eu não queria perder nenhum momento da obra de DEUS !! 

Quando entramos na favela, na primeira casa que batemos, um jovem saiu na sacada e pediu pra gente esperar,  veio com um sorriso enorme no rosto!!  Anunciamos o amor de DEUS, conversa vai, conversa vem, perguntamos de que religião ele era, ele disse que se identificava com a igreja católica, só que não frequentava muito ! Eu me vi naquele jovem, antes de começar minha caminhada com JESUS. Olhei bem no olho dele e pedi pra fazer uma pergunta, ele disse que sim, então perguntei:

" Irmão, se eu te entregar uma cesta de rosas, com 168 botões e não cobrar nada por elas,  ainda disser que você pode fazer o que quiser com elas, vender, emprestar, doar, trocar..... Depois eu olhasse pra você, e pedisse um botão, te faria falta ?? " Vi que DEUS me usou aquela hora,  ele ficou pensativo, emocionado, olhou pra mim e disse que me daria um botão sem problemas, que ainda restaria 167 botões !! 
Olhei pra ele e disse: " então! DEUS te dá 168 horas por semana, convido você a dedicar uma hora da sua semana pra DEUS, ainda vai te sobrar muito tempo !! " Ele com os olhos cheio d'agua, olhou pra mim e disse que tudo aquilo o tinha feito  refletir !! E disse que ia na igreja naquela semana !!

Irmãos, se só aquele jovem se converter através dessas poucas palavras que o ESPÍRITO SANTO colocou em meu coração, eu já vou ficar muito feliz!!!

Meu nome é LEONARDO, tenho 23 anos, sou do grupo de oração CANÁ ( onde JESUS realizou seu primeiro milagre ) Somos missionários aqui em FRANCA ! Gostaria de pedir para que possamos nesse ano de 2011 sermos MISSIONÁRIOS, nas vidas de nossos irmãos!! Um gesto tão simples que transforma vidas!!

QUE A GRAÇA DE DEUS, O AMOR DE MARIA E O FOGO DO ESPÍRITO SANTO ESTEJA COM TODOS VOCÊS!!!!"

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Seja LUZ

Uma candeia, uma lamparina, quem morou na zona rural, conhece muito bem, como é a luz que ela produz. Uma chama não muito grande, que fica dançando como se movida por uma canção. Clareia  o que está perto, mas mesmo os de longe podem perceber que ali existe uma pequena luz, impedindo  as trevas .
Essa é a luz que Jesus  pede que sejamos no dia de hoje. Mesmo pequena, tímida, mas LUZES!

O bem aventurado Alberione, ouviu certa vez: "Dou-lhes a minha luz. E me servirei de vocês para iluminar".



Ensinai-me, Jesus, a me abrir, na mesma dimensão de Vossos Braços na cruz, e acolher ao próximo com suas fraquezas e limitações, amando-o e respeitando-o.
Que eu possa ser para ele coluna, apoio que o ajude em sua particular caminhada. Que eu venha a ser para ele, canal de Vossa graça e sinal de Vosso amor, Amém!

Celebramos aquilo que é importante!

Essa imagem é do Francisco, um catequista que faz um trabalho lindo em sua comunidade, no momento não me lembro o nome  de sua cidade, mas sei que ele está muito longe de mim. Mas, coloquei essa imagem, para refeltirmos no papel e a importância da pessoa do catequista. Percebam, o Francisco orientando e ao mesmo tempo com a mão no ombro da criança como que dando toda força. Percebam que a criança que está com a Bíblia na mão, está com uma roupa diferente, dando destaque à Palavra de Deus. Percebam, a expressão dessa criança ao lado, seu olhar atento, curioso. É isso! As coisas de Deus são simples, nós é que complicamos. Momentos celebrativos nos encontros são de extrema importância. Celebramos aquilo que é importante!
A Renata, uma amiga catequista, aqui da paróquia, faltando um  minuto pra meia noite, me enviou um email(Ei, se num dorme não, menina!). Antes de dormir, entra no blog, lê as novidades e interage, deixando seus comentários. E o recadinho dela é pra vocês que acessam esse blog, todos os dias. Quando pensei em ter um blog, tinha um único objetivo: Animar/orientar/ formar os catequistas, já que não estava mais conseguindo fazer isso apenas por email. Mas, minha intenção também era que esse blog não tivesse só cara de Imaculada, (porque Imaculada demais cansa), mas que outros catequistas se sentissem em casa, com vontade de também colaborar de alguma forma. Estou feliz com o resultado e sei que podemos participar/colaborar mais. Fico imaginando quantas experiências lindas temos  por esse Brasil. Fique claro, o blog não é meu, é nosso. Entrem, sentem-se, fiquem à vontade! Tá! Vamos ao recadinho da Renata:

"Boa noite Imaculada!
Achei esta frase numa apostila, veja se ela pode animar os catequistas que entram no seu blog, aqueles que querem entrar na catequese do estilo catecumenal."


 “ Comece fazendo o que é necessário,
Depois o que é possível,
Breve estarás fazendo o
impossível ”
(São Francisco de Assis)

Confissões de uma Catequista

Bom dia!
Recebi essa "confissão" da Cátia, uma catequista de Itaquera-SP.
Percebam que o seu relato,  nos é familiar...
Cátia, obrigada por  partilhar! 



Durante algum tempo, sempre que desanimava na catequese, por ver tantas crianças fazerem sua primeira, mas também sua última Eucaristia, pois que não perseveravam na fé, um pensamento me consolava:
“Fiz minha parte, plantei a sementinha da fé em seus corações, a seu tempo darão frutos”.
Porém, esse doce consolo deu lugar à consciência de uma amarga realidade: Um dia, observando mais atentamente a natureza criada por Deus, percebi que, para que as sementes germinassem, crescessem e se tornassem árvores frondosas e sadias para darem seus frutos, seria preciso mais que simplesmente lançá-las ao solo, mas cuidar para que esse terreno oferecesse o mínimo necessário para terem a chance de vingar, ou seja, umidade, luz solar, nutrientes... Compreendi que nossa natureza humana, de maneira especial, nossa alma, não é diferente!
E eis que os questionamentos não tardaram a ocupar meus pensamentos:
“Estas sementes da fé, que teimosamente insisti em plantar naqueles coraçõezinhos, sobreviveriam sem a nutrição regular dos sacramentos? Sem o sustento do Pão da Palavra e do Pão Eucarístico? O solo, o lar familiar, ofereceria condições de subsistência, como por exemplo, o testemunho cristão e comprometido de seus pais, a oração em família, o incentivo a continuar na caminhada da fé e na comunidade?
Neste momento, meu coração ficou apertado e cheio de incertezas. Busquei então, o auxílio do alto, o Espírito Santo, que com sua sabedoria, me instruiu e com sua paz, apaziguou meu coração, porém, com uma paz inquieta, que me fez perceber que minha missão não terminaria com a 1ª Eucaristia, mas continuaria com meu testemunho fiel, coerente e atuante da nossa fé católica, mas também com a oração de intercessão pelas crianças, por seus pais, para que saibam zelar pela preciosa alma de seus filhos,  preciosa pois que custou o altíssimo preço do Sangue de Cristo na cruz, e também por toda a comunidade, para que sempre assuma o compromisso de ser acolhedora e evangelizadora diante de seus filhos.
Por fim, agradeci a Deus, por não deixar que me conformasse com aquilo que pode e deve ser mudado pela oração, pelo exemplo, mas acima de tudo, pela graça e vontade de Deus!
ASSIM SEJA!

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Não semeie hoje o problema de amanhã

"É preciso cuidar da apresentação dos conteúdos, de forma adequada à sensibilidade infantil. Embora a criança necessite de adaptação de linguagem e simplificação de conceitos, é importante não semear hoje o problema de amanhã. Simplificar com fidelidade e qualidade teológica exige boa formação e criatividade. É necessário ter cuidado para que, em nome da mentalidade infantil, não se apresentem idéias teologicamente incorretas que depois serão motivo de crise de fé."

Leram direitinho, com atenção! Esse é o parágrafo 200 do Diretório Nacional de Catequese, aprovado em 2005. Sera que é porisso que se tem tantas pessoas pulando de galho em galho, sem nenhuma convicção daquilo que acredita? Sério neh! Erroneamente achamos que trabalhar com criança é mais fácil. Precisamos rebolar para passar verdades de uma forma diferente, atraente, envolvente, seriamente. Não podemos transmitir verdades, como que sendo "meia verdades." Vale relembrar aqui,  o tal de infantilizar demais a catequese. "Enrolation", só porque são pequeninos? hã hã!  Nossas crianças estão cada dia mais exigentes.

NÃO SEMEIE HOJE O PROBLEMA DE AMANHÃ. Gostei dessa frase!

Para refletirmos...



Sempre foi a vida comunitária a máxima penitência, mas também a máxima expressão de fé cristã, que por essência é comunitária.

 

Ide de dois em dois...

Faz parte da minha rotina matinal, passar pelo site da paulinas e ler o evangelho do dia e também os textos do padre zezinho. Gosto, porque o site traz a leitura orante. Método muito bom para saborearmos  os textos bíblicos.
No evangelho de hoje, podemos perceber que Jesus como nosso pedagogo Mor, nos dá pistas de como preparar nossos encontros catequéticos. Antes mesmo de tratar do encontro propriamente dito, ele nos mostra que não devemos catequisar sozinho.
IDE DE DOIS EM DOIS - Enviou os setenta e dois e pediu que fossem de dois em dois. É triste, ver que existem catequistas que não gostam e não aceitam   trabalhar em dupla. É uma pena que tantos catequistas com uma vasta experiência não aproveite para formar outros catequistas. Tem também a incompatibilidade de gênios: "Não me dou com aquela pessoa, prefiro ficar  sozinha." 
Quando o catequista fica escolhendo seu parceiro, isso dificulta por demais o trabalho do coordenador, que além de organizar a moçada, ainda tem que se preocupar com coisas desse tipo. Isso é lamentável. Porque o coordenador  conhecendo seu grupo, tenta montar os pares perfeitos ou quase perfeitos. De repente um catequista tem mais facilidade de se expressar, de explicar, o outro já é mais tímido, mas trabalha muito bem coisas manuais.
OBJETIVO - Jesus tinha um objetivo aos enviar os setenta e dois. Qual é o objetivo que queremos alcançar em cada encontro. Qual é a mensagem principal. O que é para ser guardado no coração. O que é para ser colocado na prática? Lembra do método fé e vida?
ESTRATÉGIAS - O que fazer e como fazer para atingir esse objetivo - oração, postura, dinâmica, partilha,  gesto concreto.

" Conhecer a Jesus Cristo pela fé é nossa alegria; segui-lo é uma graça, e transmitir este tesouro aos demais é uma tarefa que o Senhor nos confiou ao nos chamar e nos escolher."(DAp 18

Leia detalhadamente o evangelho de hoje, é bem direcionado às aqueles a quem ele chamou.

www.paulinas.org.br

Que tal aprender a AMAR no dia de hoje...

Uma de nossas maiores dificuldades na vida, é perdoar... Não estou falando daquele perdão da boca pra fora, esse conhecemos bem, estou falando daquele perdão perdoado, enterrado,  que não fica toda hora te jogando na cara. Perdão, de verdade!
Esse temos ainda que aprender. Só  amamos de verdade,  quando  perdoamos de verdade. De resto, é balela.
Ah! padre Zezinho não estás sozinho nessa de não saber amar direito.

Não sei amar direito 

Perdoa-me Senhor! Não sei amar direito. Acho que nunca saberei. Amo um pouco pessoas que eu não conheço; amo muito algumas pessoas que conheço; amo mais ou menos a maioria dos que conheço e chego a não amar algumas pessoas que me fizeram e ainda querem o meu mal, apesar de todo o bem que eu lhes fiz.
Ainda não sei perdoar totalmente, amar sem retribuição, amar por amar. Ainda espero gratidão, retribuição e recompensa. Por isso, meu Senhor, estou pedindo a graça de amar sem reservas. Por mim mesmo não sou capaz desse amor.
Mas tua graça pode me tornar tão santificado que eu possa até retribuir com amor àqueles que não me amam. Sei que ainda não sei amar. Mas Tu que és amor, ensina-me essa parte da vida; eu ainda não a assimilei.
Foi para isso que eu vim ao mundo, mas ainda não consegui realizar este desígnio. Amo pouco e seletivamente, calculadamente. Ensina-me o verdadeiro jeito, o teu jeito!

www.padrezezinhoscj.com
Comentários para: online@paulinas.com.br

terça-feira, 25 de janeiro de 2011


Conforme solicitado, informações sobre o querigma está na barra lateral, em marcadores/Querigma. 
Ou clique abaixo da postagem onde está escrito marcadores.
lembrando que não existe uma regra geral para se fazer o querigma, existem pistas.

A quanto andas nossas inscrições?

Há quem leia o meu blog e pense: "Puxa, será que na paróquia da Imaculada tudo é perfeito, será a catequese anda a mil maravilhas?"
Pra quem pensa assim, ledo engano,  minha paróquia não é perfeita, nossa catequese muito menos, nossos catequistas também não. Temos as mesmas dificuldades, temos pais ausentes, temos catequistas ausentes de tudo, catequizandos voados... Tudo igual.
Mas, estamos tentando melhorar nossa catequese e sou testemunha de que tem valido  muito a pena o esforço,  sinto que nossos catequistas, nossos pais, a comunidade tem olhado a catequese com "outro olhar". Isso porque chamamos a atenção, fizemos um certo "barulho", como que dizendo: "Ei pessoal, existimos e somos importantes!"

Falando em "novo olhar", quando tivemos a formação com o Padre Lelo sobre a catequese em estilo catecumenal ele dizia o seguinte: " Que todos nós sabemos um pouquinho sobre a iniciação e isso acaba dificultando,  porque carregamos certos vícios, o bom seria se não soubéssemos nada, porque ai, começando do zero, tudo que aprendêssemos seria novidade."
E quem não gosta de uma novidade! Esses vícios, são nossa pedra no sapato, porque não podemos correr o risco de trocar apenas de material, mas de se ter uma nova mentalidade. E isso, aos poucos estamos conseguindo. Não temos um caminho inteiro percorrido, estamos aprendendo fazendo e com certeza a cada ano vamos melhorando.

Voltando ao Pe Lelo, quando trouxemos ele aqui na paróquia, esperávamos respostas.  Levamos um choque quando ouvimos: " Não existe ninguém que tenha feito esse caminho, estamos resgatando algo perdido lá no século V, não trago pra vocês uma receita, ou uma experiência.
À princípio fiquei um pouco decepcionada, parecia um cego guiando outro cego, mas todas as orientações que ele nos trouxe, nos mostrou que estávamos no caminho certo. Prosseguimos, confiantes, mesmo porque pior do que tava não ficaria. 

Quando a Darlene de Passa Quatro, comenta sobre a realidade da paróquia dela sobre as inscrições, pensei nas mais diversas realidades por esse Brasil a fora.
Principalmente nas cidades pequenas, onde tudo é perto, e com a independência de nossas crianças, imagino que isso da criança procurar a catequese é comum.
Comum, mas não é o natural. O natural seria os pais procurarem. O natural seria que tivéssemos secretárias capacitadas para acolher e orientar esses pais. O mais natural seria essas inscrições serem feitas por uma equipe de catequistas ou coordenadores.

Aqui, até poucos tempo atrás, acontecia o comum, os pais procuravam a secretaria paroquial para inscreverem seus filhos no "cursinho de catequese". Recebíamos essas crianças na data marcada, como se faz numa escola. Professores, recebendo seus alunos.
Quando assumi a coordenação, e como toda nova coordenação quer inovar, porisso é bom a troca de coordenações de tempo em tempo, sangue novo... Então, resolvi que faríamos nós mesmos as inscrições, montamos plantões e ficávamos lá esperando nossos pais... Foi uma experiência maravilhosa, mas muito trabalhosa, na verdade um tédio, ficar plantados esperando os gatos pingados aparecerem...

Ainda não era o que queríamos... Foi quando lançamos o desafio, os pais fariam as inscrições na secretaria paroquial, mas só com o nome da criança e endereço, nós os catequistas visitaríamos cada um, aproveitando para fazer o querigma à família reunida, só depois  se preenchia as fichas. Sendo já a etapa do pré-catecumenato.
A idéia a princípio não foi aceita por todos os catequistas, muitos arrepiaram. Mas, trabalhamos com aqueles que aceitaram fazer as visitas e também contamos com a ajuda da equipe de missionários da paróquia. Pela quantidade de catequizandos, não foi fácil cumprir com todas as  visitas no tempo determinado. Achei que eu seria linchada, mas prosseguimos, os testemunhos que iam chegando faziam com que outros catequistas fossem tomando coragem. Foi lindo!

No ano passado, mais um passo, agora, o próprio catequista visitaria seus catequizandos para esse primeiro anuncio, primeiro contato com a família. Foi mais lindo ainda. Hoje, todas as etapas realizam essas visitas. Não existe mais a resistência por parte dos catequistas.


Agora, o que quero passar à vocês, que pra se fazer isso, não é preciso mudança de material, de método, é preciso coragem para fazer a visita domiciliar dizendo:" Olá, sou Imaculada e esse é o Rafael, seremos os catequistas do seu filho.... entramos, sentamos, respiramos, porque rezar, isso já fizemos antes de cada visita, rezamos de novo com a família, preparamos uma passagem bíblica, de preferência uma que fale do amor de Deus, fazendo o querigma e por último colhemos os dados da família. Enfim, saimos da casa sabendo a realidade de cada catequizando. Importante seria o catequista ter uma preparação   de como se fazer o querigma, mas mesmo não sabendo todos os passos do querigma, já é válido. ( fiz um vídeo que fala um pouquinho sobre o querigma, está na barra lateral em marcadores/ vídeos-Querigma e Catequese)

 
Tem muita coisa que podemos fazer, só nos falta mesmo é um pouquinho de ousadia. E o resultado é maravilhoso, porque quando você entra na casa de cada família, é a Igreja visitando e acolhendo aquela família. Façam essa experiência. Trace essa meta para esse ano, visite cada família.
Aqui, como nossa catequese só começa em agosto, colhemos as inscrições em fevereiro, março e abril.  Temos mais de dois meses para visitar com calma todos nossos catequizandos.

Tudo isso pra dizer que se Maomé não vai à montanha, a montanha vai à Maomé!
Se nossos pais não vem até à Igreja, a Igreja vai até eles...

Fácil? Não! Quem disse que seria?
Impossível? Não!

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Verdades...


O próprio Jesus não deixou escritos.
Porém deixou algo infinitamente superior: a Igreja, sua presença em nosso mundo até o fim dos tempos, e o Espírito Santo, que age com criatividade imprevisível.

Para uma verdadeira catequese, não bastam textos bons.
Afirma-se que a autêntica comunidade é o melhor recurso audiovisual da catequese.

Estou aqui, lendo e pensando sobre esse "antigo", mas pra nós "novo" jeito de fazer catequese, o tal estilo catecumenal... Acredito que todos que amam de fato a catequese, estão felizes de ver que a catequese é assunto em pauta na Igreja. Já era tempo. Aos poucos, mais e mais catequistas vão se conscientizando de que o estilo catecumenal não é um bicho de sete cabeças. E que esse jeito de fazer catequese, não é mais difícil do que a catequese que fazemos a muito tempo. Aos poucos vamos percebendo que precisamos dar uma resposta ao que essa "mudança de época" nos pede. Tudo avança, tudo se renova, porque não a catequese? 
Até pouco tempo, achávamos que "catequese de iniciação" era quando os nossos pequenos davam entrada na catequese para receber a primeira comunhão.
 Concordo com o "não basta textos bons", se não conseguimos com que nossos catequizandos despertem para a vivência comunitária.
 Aos poucos e bem devagarinho,  vamos acordando,  essas coisas vão nos incomodando e  com algum esforço, tentamos descobrir uma maneira de melhorar o nosso fazer catequético. Acredito que o primeiro passo é começar pela conscientização  com os catequistas e depois com os pais. 
Nossos pais, a maioria deles, já no dia da inscrição pergunta: "Quanto tempo leva a catequese,(como se  a catequese fosse um peso, ou mais uma atividade na vida dos filhos) isso tendo em vista a "primeira comunhão", ele nem está perguntando do Crisma. Nenhum pai, mãe, avós, padrinhos ou seja quem for o responsável pela criança, nunca perguntou: "QUANTO TEMPO LEVA PARA QUE MEU FILHO SE TORNE UM CRISTÃO! O QUE POSSO FAZER PARA AJUDAR?"
Não tem consciência de que o papel deles é fundamental nesse processo, mas muitos estão afiados em reclamar, chegando às vezes até mesmo ao pároco: "Acredita sô padre, que meu filho saiu da catequese, sem saber rezar nem as orações; não gosta de ir às missas, pra que serviu essa catequese. Nossa! a catequista deixou muito a desejar!"
Então... Nosso alvo principal deve ser os pais.
Nosso trabalho primeiro deve ser dirigido à eles.
Antes mesmo de iniciar a catequese com os catequizandos, planeje um encontro com os pais para essa conscientização. Isso em todas as etapas.
E não vá pensando que basta apenas esse único encontro para que se tornem pais conscientes. Porque a meta  é  pais convertidos. O trabalho é longo,  lento,  com continuidade entre as etapas. Dai a importância da unidade dos sacramentos da iniciação cristã. Se não existe esse diálogo entre as etapas, se não falarmos a mesma língua, dificilmente  teremos êxito e continuaremos com as quebras dos sacramentos, com catequizandos indevidamente iniciados na fé. Se bem que conforme diz Padre Marcelo Max, só estaremos devidamente iniciados quando vestirmos nosso paletó de madeira.
Não somos catequistas dessa ou daquela etapa, somos CATEQUISTAS DE INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ! 
Mesmo sendo eu catequista na etapa em preparação à vida eucarística, preciso me preocupar com os meus catequizandos nas outras etapas. Posso e devo encaminhá-los, acompanhá-los, até que todos estejam seguindo no caminho, no processo. Minha responsabilidade não acaba na celebração da Primeira comunhão. Ou será que  acho que passei a "batata quente", lavando minhas mãos, agora é com a catequese de perseverança ou crisma. Isso quando não respiramos fundo e dizemos: 'Ufa, acabou, mais uma missão encerrada!"Até posso não continuar com a turma, mas preciso certificar-me de que  nenhum se perdeu pelo caminho.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Olá!!

Ando sumida do nosso espaço neh! Quando vejo nas estatísticas a quantidade de pessoas que entram aqui diariamente e saem sem nenhuma novidade, fico me sentindo mal. Mas, às vezes precisamos de um tempo para pensar,  avaliar, rever ou até mesmo pra ficar de papo pro ar. Estou revendo algumas formações catequéticas. Vou contar um segredinho,  toda formação que participo, quando é permitido, eu gravo no meu mp4, para ouvir depois., já que guardamos pouca coisa daquilo que ouvimos. É uma boa dica para o dia de hoje. Gravem tudinho. Estou aqui com um monte de coisas pra rever. 

Beijus1000 pra todos!
Até!!

sábado, 15 de janeiro de 2011

Só para refletirmos um pouquinho!!

Qual a postura do catequista frente aos catequizandos? Na grande maioria das vezes os catequistas fazem uso de sua vocação em dois extremos:

1) copiam o método de ensino, que seus professores durante sua vida escolar, utilizaram com eles; e se o catequista é professor, procura utilizar a mesma didática de suas “aulas”, nos “encontros” de catequese. Muitas vezes este método de ensino torna o catequista muito autoritário e exigente com os “catequizandos”, que não são “alunos”, mas sim, cristãos que buscam na grande maioria das vezes inconscientemente, terem uma experiência cristã, onde eles mesmos serão construtores desta mentalidade nova;

2) um outro extremo que acontece com grande parte dos catequistas é o infantilismo e atitude paternalista exagerada. O infantilismo acontece quando o catequista age com atitudes e voz infantil perante os catequizandos, tentando se igualar a eles, ou até mesmo reter a atenção dos mesmos. O paternalismo exagerado ocorre quando o catequista inconscientemente e em alguns casos conscientemente procura ser o pai ou a mãe dos catequizandos, esquecendo a sua vocação que é a de ajudar o catequizando a fazer uma experiência cristã de conhecimento e fé. Em ambos os casos deve haver equilíbrio e maturidade por parte do catequista, para que a sua vocação não seja confundida por ele mesmo e pelos catequizandos.

Por Flávio Sobreiro da Costa

Iniciação Cristã

  1. Iniciação Cristã é um jeito de dar catequese que ajuda o catequizando a fazer uma forte experiência do amor de Deus e a realizar um encontro vivo e decisivo em sua vida. Leva à configuração com Cristo, a uma nova vida, com vivência litúrgica, participação na comunidade eclesial e prática missionária.
  2. Iniciação Cristã é sinônimo de: conversão, transformação, mudança de vida, seguimento de Jesus, união entre fé e vida, que leva ao encantamento por Jesus e pelo evangelho, à participação na liturgia e vida de oração, ao engajamento na comunidade é à missão evangelizadora.
  3. A Iniciação Cristã é um processo, uma caminhada, um itinerário com etapas progressivas, com estudo, celebração e vivência da fé. Portanto, é um caminho a ser percorrido, cujos pontos principais são: o encontro com Cristo, a conversão, o discipulado, a vida litúrgica, a vivencia comunitária e a missão evangelizadora.
  4. Iniciação Cristã é antes de tudo fascinação e encantamento por Jesus Cristo e o reino, é uma decisão de seguir Jesus, ter seus sentimentos, seus critérios, suas atitudes. Esta catequese não focaliza a doutrina, a obrigação, o ensino teórico, pelo contrário, procurar atrair, encantar, fascinar o catequizando no seguimento de Jesus, no amor à Igreja, na vida de oração e na missão transformadora.
  5. A Iniciação Cristã é o jeito de dar catequese, é uma pedagogia e metodologia que une fé, oração, amor fraterno, missão. O tempo de duração da catequese chama-se catecumenato porque antigamente preparava os adultos para receber os sacramentos do batismo, crisma e eucaristia. Hoje, chamamos de catecumenato tanto a catequese para adultos não batizados, como para adultos batizados mas não evangelizados.
 Dom Orlando Brandes
 


catequese e metodologia - "Pouco valor terá a catequese, mesmo substanciosa e segura, se não for transmitida com eficiência de expressão e apoio daqueles subsídios didáticos que hoje se apresentam sempre mais ricos e sugestivos.

Lembrando que a pessoa do catequista é fundamental. Nada o  susbstitui. E sabe porque? Por que só ele consegue transmitir a mensagem com um "elemento" que nem mesmo a mais avançada tecnologia substitui: O AMOR. Sem o AMOR de nada adiantaria tanta tecnologia.

O ser PERFEITO fez  obras imperfeitas, e as faz, porque se fizesse alguma obra perfeita teria feito outro deus. Neste caso, ele não seria o Deus único, mas apenas o deus número um.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Fizeste a tua parte...

Essa oração. Linda! Nem se eu buscasse no meu mais íntimo ser, eu não encontraria palavras tão certas. Quem escreveu foi Padre Zezinho, mas  ela serve para cada um de nós. Que possamos assumir nossos erros com maturidade, porque perfeitos não somos, estamos à caminho, mas muito longe de atingir ou chegar perto da perfeição. O importante é aprender com nossos erros e não deixar que eles nos paralize.Mesmo que nunca mais voltemos a ser o que éramos antes do erro, isso não é culpa de ninguém, isso são consequências.  Sérgio Cortela, usa como título de um dos seus textos, o seguinte:
 "A ESCOLHA É SUA; já as consequências.... A decisão em um dilema é sempre individual. Mas as suas consequências podem afetar muitas outras pessooas."
Um bom dia, com dilemas ou sem dilemas...


Fizeste a tua parte

Fizeste sempre a tua parte.
Fui eu que não fiz a minha!
Deste-me a luz e a graça para eu ser pessoa plena.
Fui eu que não abri a cortina!
Deste-me, o tempo todo, a chance de escolher.
Fui eu que não te escolhi e muitas vezes optei por mim mesmo, porque era mais fácil, mais agradável e parecia mais vantajoso!
Por isso, Senhor, admito que pequei.
Foi minha culpa, tão somente a minha culpa.
Não tenho como acusar os outros nem os que me levaram ao erro e a ciladas. Eu quis. Mas, se tive liberdade para querer pecar, quero ter a liberdade de querer me arrepender, não por medo, mas por amor.
Quero ser teu porque me amas e não porque poderias castigar-me. Quero ser teu porque me queres no céu e não por medo de passar a eternidade longe de ti.
Quero amar-te por amor e não por dever ou por medo. Quero amar-te encantado com o ser que és. Concede-me esta graça!

Comentários para: online@paulinas.com.br

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Pelas vítimas da Região Serrana do Rio...

 Vamos fazer uma corrente de orações, pelos que perderam casa, família, a vida e a esperança...

Ó Senhora do Perpétuo Socorro, mostrai-nos que sois verdadeiramente nossa Mãe obtendo-nos o seguinte graça: amparai aos nossos irmãos vítimas dos desabamentos, consolai aos que perderam seus entes queridos, e dai o descanso eterno aos que morreram nessa tragédia. Alcançai-nos a mais terna confiança em vossa intercessão, Mãe do Perpétuo Socorro. Concedei-nos esse favor que reclamamos de seu poder e bondade maternal. Eterno Pai, em nome de Jesus e pela intercessão de nossa Mãe do Perpétuo Socorro, peço-vos atendei-nos. Amém.
Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, rogai por nós!
( Reza-se 3 Ave-Marias)

* Peguei esse pedido de oração do blog da Sheila, ela que sabe bem de perto o que aquele povo está passando. Ontem, quando assistia pela Tv, escutei o lamento de uma criança dizendo: "O mundo está acabando". Que vontade que tive de estar lá e de abraçar aquela criança, de amenizar de alguma forma aquela dor.  Misericórdia Senhor!

Para refletirmos...

A Alegria na Tristeza

O título desse texto na verdade não é meu, e sim de um poema do uruguaio Mario Benedetti. No original, chama-se "Alegría de la tristeza" e está no livro "La vida ese paréntesis" que, até onde sei, permanece inédito no Brasil.

O poema diz que a gente pode entristecer-se por vários motivos ou por nenhum motivo aparente, a tristeza pode ser por nós mesmos ou pelas dores do mundo, pode advir de uma palavra ou de um gesto, mas que ela sempre aparece e devemos nos aprontar para recebê-la, porque existe uma alegria inesperada na tristeza, que vem do fato de ainda conseguirmos senti-la.

Pode parecer confuso mas é um alento. Olhe para o lado: estamos vivendo numa era em que pessoas matam em briga de trânsito, matam por um boné, matam para se divertir. Além disso, as pessoas estão sem dinheiro. Quem tem emprego, segura. Quem não tem, procura. Os que possuem um amor desconfiam até da própria sombra, já que há muita oferta de sexo no mercado. E a gente corre pra caramba, é escravo do relógio, não consegue mais ficar deitado numa rede, lendo um livro, ouvindo música. Há tanta coisa pra fazer que resta pouco tempo pra sentir.

Por isso, qualquer sentimento é bem-vindo, mesmo que não seja uma euforia, um gozo, um entusiasmo, mesmo que seja uma melancolia. Sentir é um verbo que se conjuga para dentro, ao contrário do fazer, que é conjugado pra fora.

Sentir alimenta, sentir ensina, sentir aquieta. Fazer é muito barulhento.

Sentir é um retiro, fazer é uma festa. O sentir não pode ser escutado, apenas auscultado. Sentir e fazer, ambos são necessários, mas só o fazer rende grana, contatos, diplomas, convites, aquisições. Até parece que sentir não serve para subir na vida.

Uma pessoa triste é evitada. Não cabe no mundo da propaganda dos cremes dentais, dos pagodes, dos carnavais. Tristeza parece praga, lepra, doença contagiosa, um estacionamento proibido. Ok, tristeza não faz realmente bem pra saúde, mas a introspecção é um recuo providencial, pois é quando silenciamos que melhor conversamos com nossos botões. E dessa conversa sai luz, lições, sinais, e a tristeza acaba saindo também, dando espaço para uma alegria nova e revitalizada. Triste é não sentir nada
 
De samya-Fortaleza-CE, para vocês!

Viver pra mim é CRISTO

Viver para Cristo, fazer com que ele seja  prioridade em sua vida. Coisa fácil de falar, pregar isso da boca pra fora, muito fácil. Mas, na hora de viver, renunciar a tantas coisas, é que percebemos o quanto é difícil. Conquistar essa coroa, é preciso muita luta. E será sempre assim, uma vida inteira de batalhas. Deixe que essa música  fale ao seu coração.

"Lembra-te que és mortal"

Quando li essa história, fiquei imaginando o quanto ela nos traz grandes lições... eu poderia dizer aqui com palavras claras o que acho, mas as parábolas são para nos fazer pensar. Pensemos em nossa ação catequética, pensemos nas enchentes e inundações que estão tirando tantas vidas, se isso não se deve ao desrespeito à natureza... Lembra-te sempre de uma coisa: És mortal! Nem dos seus dons é dono.  Estamos à serviço. O texto abaixo, está no livro "Qual é a tua obra?" de Sérgio Cortella- Vozes

Os romanos na Antiguidade tinham um hábito muito importante: todas a vezes que um líder importante, voltava de uma dura batalha com uma retumbante vitória, ele entrava na cidade de Roma e tinha que deixar o exército do lado de fora, num grande campo aberto, que era chamadoa de Campo de marte - dedicado ao deus da guerra. O general subia numa biga, aquele carro de combate com dois cavalos, conduzida por um escravo.
O líder se apoiava na lateral da biga para ser aclamado pelo povo. E atravessava toda cidade de Roma até o senado, onde seria agraciado com  a maior honraria que um general poderia receber naquela época; uma bandeja com folhas de palmeira em cima. Era uma honra inacreditável. Tanto que, contam os cristãos, no Domingo de ramos se faz um tapete com folhas de palmeira para Jesus de nazaré. Qual o outro nome que a gente dá em português para uma bandeja de prata? Salva. Portanto, o general ia receber no senado uma salva de palmas. Com o tempo, a salva de palmas foi substituída por aplausos, dado que as nossas mãos parecem mesmo com folhas de palmeira.
O general ia em direção ao senado e, por lei, um segundo escravo acompanhava a biga a pé. Esse segundo escravo tinha uma obrigação legal: a cada quinhentas jardas, ele tinha que subir na biga e soprar no ouvido do general a seguinte frase: "Lembra-te que és mortal". A biga se deslocadva mais quinhentas jardas, e ele sussurrava novamente o alerta.
Já imaginou? Tem gente que precisaria de alguém com cargo e função que, ao menos uma vez por semana, grudasse nele e dissesse: "Lembra-te que és mortal".
Isso serve para nós, humanos, que muitas vezes nos orgulhamos de um poder estranho, o poder sobre a natureza, oo de domar os rios, de construir, o poder sobre as pessoas. A finalidade central do poder é servir. Eu costumo dizer que um poder que se serve, em vez de servir, é um poder que não serve.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Cristiane, uma catequista da cidade de Avaré-Sp. Achei emocionante a história dela. Deus usa de várias formas para chamar quem ele quer e se ele chama é porque tem um plano de amor para essa pessoa. No evangelho de hoje, vimos que a sogra de Pedro, depois de curada e liberta da febre,  se coloca a  servir. No caso da Cristiane, ela começou a servir e depois foi curada de uma depressão que a acompanhava por vários anos. 
Cristiane, obrigada pelo carinho de sempre, pelos comentários que sempre deixa aqui, sinto que são do coração. Obrigada pelo selinho, sei que fez com amor.  O recebo como um gesto de carinho, é como se recebesse um  abraço, um beijo ou um "Te gosto muito". Fiquei muito feliz de saber que você tem um blog e que está se dedicando à ele. Estou sempre por lá!
Olha, não desista, você está na catequese servindo à Deus e não aos homens. Continue, a catequese precisa de você! Beijos! Imaculada







"Os esforços pastorais orientados para o encontro com Jesus Cristo vivo deram e continuam dando frutos" (DAp 99).

Outro dia li algo que aquietou meu coração, porque na maioria das vezes, achamos que nossos esforços são em vão, que não fica nada no coração de nossos catequizandos, que isso, que aquilo, é uma lamuria sem fim, e isso faz com que os frutos passem desapercebidos diante de nossos olhos, porque estamos focados naquilo que não deu certo... Aquilo que passamos aos nossos catequizandos não é pra ser guardado na mente, mas no coração.Tenho certeza que no momento certo em suas vidas,  se lembrarão do que passamos à eles, de nossas conversas... Li o seguinte: "O esforço depende de nós, mas os resultados não dependem de nós. E se os resultados não dependem de nós, é loucura nos sentirmos fracassados naquilo que fazemos."
Então...nessa palavrinha "esforço" tem muita coisa: AMOR, em primeiro lugar e com letra maiúscula( se não ama ser catequista, é melhor procurar outra coisa de que goste), dedicação( leitura de bons livros, formações...) zelo e porque não uma pitadinha de ousadia.


 Verdade Padre Zezinho! Não sabemos rezar direito.
Não sei se é o modo certo, mas tem dias, que me coloco diante de Jesus e mesmo sem proferir uma palavra,   em pensamentos, oro: "Olha Senhor, não quero te dizer nada, estou sem vontade, sem forças, mas sei que o senhor tem muito a me dizer. Aqui está meu coração, com tudo que há nele... "  Sei que ele me escuta, mesmo quando não digo nada...
Agora! Senhor!
Perdoa-me se eu orar direito!
Um lindo dia pra você, pra variar não variando, com muita chuva!!!
Imaculada


Perdoa-me se eu orar errado
Pe. Zezinho, scj

Oro sem saber orar.
 Falo contigo, a quem eu nunca vi, cuja voz jamais ouvi e cuja presença às vezes não sinto.
 A Ti, a quem nós que seguimos Jesus chamamos de Pai.
 Não entendendo o mistério de um só Deus que é três pessoas eu falo da minha vontade de conhecer-te e de aprender a falar contigo.
 Nem sempre sei o que dizer, e não sei dizer o que sinto.
 Meus diálogos contigo padecem do meu limite de não saber conversar com alguém que nunca vi.
Assim sendo, perdoa-me, se eu orar errado; se disser coisas que não correspondem aos fatos, ou se me referir a Ti de maneira errada ou inconveniente.
 Acontece que não sei como és, não conheço o som da tua voz e vivo da fé que recebi dos meus antepassados, fé que a Igreja me oferece.
Não sei crer sozinho.
 Preciso de outros para desenvolver e expressar a minha fé.
 Mas os outros também não sabem tudo.
Então, cremos e oramos como sabemos e dentro dos nossos limites.
É o meu primeiro pedido: que me ensines a falar contigo.
 Ainda não sei me dirigir a Ti.
 Mentiria se dissesse que sei.



terça-feira, 11 de janeiro de 2011

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Amo de paixão, cada um dos meus catequizandos. Essa turminha  foi um presente de Deus na minha vida, se não fosse essa responsabilidade para com eles, acho que não estaria atuando no momento. Sei que cada um foi escolhido por Deus, mas com a Ana Laura, foi diferente, o "encontro" se deu,  através da visita nas casas, que fizemos antes da catequese começar, até então eu não seria sua catequista. Foi identificação de imediato. Estou com eles, desde agosto de 2009 e na páscoa desse ano, se tornarão crianças/adolescentes eucarísticos. Três serão batizadas. Espero ansiosa por esse momento. Vou postar um recadinho dessa minha catequizanda, porque fiquei muito feliz ao ver o quanto Jesus é ainda muito querido, amado, esperado e desejado... E que nós catequistas, temos uma grande parcela de responsabilidade nisso. Ana Laura, uma correção: Quem tem que ser essencial na sua vida é JESUS, nunca se esqueça disso...

"...SABE AS VEZES PARO PARA PENSAR O QUANTO MÃE É ESPECIAL, NÃO É VERDADE ?
CERTAMENTE FOI DE DEUS,  ESSA MARAVILHOSA IDÉIA DE TER UMA SEGUNDA MÃE!!
E EU TIVE O PRIVILÉGIO DE TE CONHECER, FOI DEUS QUE TE COLOCOU EM MEU CAMINHO!!
AGRADEÇO POR  TER DADO ESSE PRIVILÉGIO A MIM. A PARTIR DO PRIMEIRO DIA QUE NOS VEMOS, ME IDENTIFIQUEI MUITO COM VOCÊ, POR ISSO  SERÁ MINHA MADRINHA. EU TE AMO MUITO, MUITO, MAS MUITO....
E NUNCA VOU DEIXAR DE TE AMAR MÃE 2. MEU BATISMO ESTÁ CHEGANDO, NÃO VEJO A HORA DE VOCÊ ME BATIZAR!!
OS DIAS ESTÃO PASSANDO CADA VEZ MAIS PERTO, NÃO VEJO A HORA DESSE TÃO ESPERADO DIA CHEGAR !
MADRINHA SÃO POUCAS PALAVRAS, MAS SIGNIFICA O QUANDO VOCÊ É ESSENCIAL NA MINHA VIDA. TE AMO !!!!!"
Ana Laura

Divulgando o que é bom!

 Recebo diariamente o EQ em meu email. Tem dias que a leitura das reflexões muda a rota dos meus pensamentos, dá um novo sentido aos meus dias... Se você quiser também receber o EQ, faça o que se orienta abaixo... Guardemos em nosso coração a mensagem principal do Evangelho de hoje : ARREPENDEI-VOS e acreditai no Evangelho. Só Deus com suas palavras de vida para nos fazer prosseguir. Só Deus!

Eis-nos de volta ao tempo comum, o tempo da nossa caminhada.
“Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo”, recorda-nos hoje S. Marcos. E acrescenta: “Arrependei-vos e acreditai no Evangelho”.
Há quase dez anos (faltam poucos meses) que este serviço se dedica a divulgar o Evangelho do dia, num apelo à conversão. Um a um, de boca a orelha, de computador a computador, os nossos leitores têm assumido o papel de arautos, de transmissores da Boa Nova. Mas, como diria o nosso saudoso Papa João Paulo II, “Isso não chega”. É preciso ir mais longe, a mais computadores, a mais orelhas, a mais corações.
Fazemo-vos uma proposta; um amigo por dia. É um mínimo, que não ocupa quase tempo nenhum. Abram o nosso site (www.evangelizo.org) e, clicando na bandeira que vos interessa, inscrevam o amigo de que se lembrarem na casa “o seu endereço e-mail”. Confirmem e já está! Ele receberá uma carta nossa a pedir se aceita a inscrição.
Um por dia! Não é pedir muito, pois não? O Senhor vos agradecerá.
Com os votos de uma santa e frutuosa caminhada,
A equipa portuguesa do Evangelho Quotidiano

sábado, 8 de janeiro de 2011

Líder ou Chefe?

"O líder é aquele capaz de inspirar as pessoas. Inclusive no momento em que a crítica é necessária."


Lendo o livro  de Sérgio Cortella - QUAL É A TUA OBRA? , observamos qual é papel de um líder, de um coordenador.
Essa questão de líder é coisa séria. O que é liderar? É ser capaz de inspirar pessoas, idéias, projetos, situações.
O líder é capaz de "animar", essa palavra no latim, significa "alma". Quer dizer, que um líder, um coordenador tem  que dar alma ao grupo que lidera.
Achei interessante quando o autor descreve a experiência vivida com aquele que um dia foi  seu chefe,  o descreve não como um chefe, mas como um  grande líder. Ele dizia que mesmo quando era chamado em sua sala para uma chamada de atenção, ele ia com alegria e com expectativa, pois mesmo sabendo que levaria uma "lavada", ele sairia de lá uma pessoa melhor, com a possibilidade de corrigir algo, por intermédio de alguém que ele respeitava e entendia que aquela repreensão era para que a "obra" fosse maior.
Isso é verdade, amei ler isso, trazendo isso pra nossa catequese e outras pastorais,  quando o coordenador é respeitado e sobretudo amado por seu grupo é assim que acontece. Percebe-se que mesmo que o coordenador seja "rígido" em certas coisas é para um bem maior. Sabemos, também que nem sempre é assim que acontece, sempre tem alguém que consegue enxergar com outros olhos e além de não ajudar, só faz detonar o pobre do coordenador. Mas, o líder que é líder, sabe até disso tirar proveito.
Agora, se um coordenador só consegue desanimar o grupo o tempo todo, ele não é líder, e sim um "chefe". 
Como qualquer catequista, o líder não nasce pronto, se forma.
Para se entender melhor, o autor usa de exemplos concretos:  Qual o melhor tempo para se formar um bom médico? no período da residência; qual o melhor lugar para colocá-lo? Pronto-Socorro. Porque a intensificação da experiência ali é tamanha.
Onde é formado o melhor líder de pelotão? No combate.
Isso  significa também que uma pessoa que inicia como coordenador/líder, é jogado numa fogueira, numa experiência intensa. Porque ao intensificar a experiência, ela cresce e se fortalece.
Por isso digo com propriedade, que o tempo em que mais crescemos como catequista, é quando passamos pela coordenação. É nesse período que nos descobrimos líderes ou chefes.

Recomendo a leitura desse livro às lideranças atuantes e também às lideranças recém jogadas na fogueira. É um livro para o líder no âmbito profissional, sobre gestão, liderança e ética, mas que podemos adaptar para a catequese e outras pastorais.

QUAL É A TUA OBRA?
Sérgio Cortella
Ed Vozes

VERBUM DOMINI

Queridos Catequistas,
Foi publicado recentemente a EXORTAÇÃO APOSTÓLICA PÓS SINODAL - VERBUM DOMINI DO SANTO PADRE BENTO XVI.
Ao episcopado, ao clero, ás pessoas consagradas e aos fiéis leigos 
SOBRE A PALAVRA DE DEUS NA VIDA E NA MISSÃO DA IGREJA

-
Um dos pontos refletidos é usarmos com inteligência dos meios, antigos e novos, de comunicação social, destacando  a internet, tendo em vista que a rede de comunicação envolve o mundo inteiro, tendo adquirido um novo significado o apelo de Cristo: " O que vos digo às escuras, dizei-o à luz do dia, e o que escutais ao ouvido, proclamai-o sobre os terraços" (Mt 10,27). Você poderá conferir isso no parágrafo 113 e muito mais, com apenas um CLIC no link abaixo,  sem precisar se dar ao trabalho de ir a uma livraria... Boa leitura!
http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/apost_exhortations/documents/hf_ben-xvi_exh_20100930_verbum-domini_po.pdf


sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Indicação de leitura - A ARTE DE SER FELIZ

"Se fôssemos capazes tão-só de entreabir as portas de cada intimidade, não encontraríamos um único coração onde não habite a tristeza, o temor ou a desolação. Sofre o pobre porque é pobre, sofre o rico porque é rico, sofre o jovem porque é jovem; sofre o idoso por ser idoso. Sofrer! Eis aqui o manjar que nunca falta na festa da vida.
A arte de ser feliz não pretende o sonho impossível de cortar pela raiz as dores da vida, mas sim mitigá-las, arrancar alguns espinhos, curar algumas feridas, enxugar muitas lágrimas para que o leitor possa sentar-se, finalmente, à sombra fresca do arvoredo para respirar, dormir e sonhar em paz. Este livro não o decepcionará." (Inácio Larrañaga-sacerdote franciscano)


Li, vou reler, gostei muito, me foi útil, indico
Livro- A arte de ser feliz - Inácio Larrañaga
Editora Paulinas

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011


Recebi meu primeiro mimo de 2011.
E ele é muiiiiiiiiiiito especial, porque vem de uma pessoa que admiro muito pelo seu jeito simples e transparente de ser. Essa  grande catequista e missionária, Silvanety, de Tangará da Serra-MT. Tão distante de mim, mas tão perto ao mesmo tempo.
Obrigada por tua presença amiga,  por fazer parte de minha caminhada.
Amei seu selinho!
Obrigada!