segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Que a luz do Menino Deus que chega, dê novo brilho à luz de nossa fé!


Queridos catequistas, 2012 está chegando a seu final, deixando rastros, sombras... Espero que ele  que tenha deixado um saldo positivo em nossa caminhada catequética... Amadurecimento como pessoa, como vocacionados... Vitórias, conquistas em nossas lutas  por uma catequese diferente... Um ano onde crescemos com nossos erros, onde deixamos Deus ser Deus em nossa caminhada...
Se não aconteceu nada disso, Deus nos dá uma nova oportunidade... Que iniciemos 2013 com um olhar confiante, que a LUZ DO MENINO DEUS, que está chegando no Natal, dê um novo brilho à LUZ DE NOSSA FÉ...
Nada de amarelar, desistir, afastar-se... Deus precisa de mim, de você, de todos nós... A messe que já era grande, com certeza será maior em 2013... Perseverança é o que desejo à todos os catequistas desse imenso Brasil... Que Deus nos regue, nos conduza, nos fortaleça a cada dia desse ano que está pra nascer...
Não achou que o mundo ia acabar dia 21 neh???
Beijo enorme, do tamanho do amor de Deus pra todos!!

Férias... logo, logo, estamos de volta!!
Obrigada pelo carinho, pela companhia e pela amizade...
Imaculada Cintra

sábado, 15 de dezembro de 2012

Vocês sabiam que...

...são pessoas especiais, importantíssimas na minha caminhada???

Por isso, quero celebrar com vocês... Hoje, 15 de dezembro, faz 03 anos que iniciei com o blog "Sou catequista de IVC"... Na verdade, faz quase quatro anos que estou na blogosfera, pois por falta de maturidade pra lidar com as contrariedades desse meio, acabei por abortar meu primeiro blog... Arrependi, recomecei... Aprendi que não devemos agir por impulso, que precisamos esperar a raiva secar, pra depois tomar uma decisão...  Uns gostam, outros não!! Paciência, nem Jesus agradou à todos... Vou prosseguindo... Até quando?? Não sei, sou instrumento e me deixo ser conduzida... 

Bem, mas nessa postagem queria testemunhar minha alegria em "atuar" na peça O BOI E O BURRO À CAMINHO DE BELÉM... Amo essa peça, pois ela passa a riqueza do nascimento, do ambiente em que o menino Deus escolheu para nascer, de uma maneira descontraída, leve, diferente... Eu sempre acho que podemos dar um toque diferente nas coisas... E é isso que acontece nessa peça...

Publiquei ela aqui dias atrás, mas quero disponibilizar uma versão mais resumida, a que fizemos aqui, pra que possam se animar e quem sabe fazer no ano que vem...Afinal, o ano voa neh, rapidinho estaremos no final de 2013...(nuss que exagero!)

Desejo  um Natal cristão pra todos vocês que acompanharam em 2012 minha caminhada através do blog... Se me perguntarem, quais são meus planos para 2013, responderei que não sou de fazer planos mirabolantes, daqueles que são só promessas de final de ano... Pra início de conversa, não sou eu quem faço meus planos, tem alguém que os faz por mim, esse alguém é DEUS... Humanamente falando, preciso criar vergonha na cara e começar uma atividade física, pois estou com as juntas enferrujadas e já apresentando alguns defeitos.. Pastoralmente falando, quero muito montar uma turma para catequisar os pais de nossos catequizandos que ainda não completaram sua Iniciação Cristã...E se possível continuar com os pequenos que amo muito... Quero também continuar auxiliando as paróquias de minha diocese que desejam dar uma reestruturada em sua catequese... Enfim, em 2013, quero ser INSTRUMENTO nas mãos de Deus, um pincel nas mãos desse grande artista... Confio em suas obras! 

UM ANO NOVO CHEIINHO DE ALEGRIA, PAZ, SAÚDE, DISPOSIÇÃO, PERDÃO, AMOR, RENUNCIAS, PERSEVERANÇA, OUSADIA(sussurrando... e um pouquinho de loucura não faz mal a ninguém)... Que seja um ano, onde você acredite mais em você,  permita que Deus seja Deus em sua vida, em sua missão, arrisque mais, tome iniciativas, saia do comodismo, seja irreverente, faça de 2013, um ano diferente... Reclame menos, tome atitudes (ação)... O ano novo cochila dentro de você, desperte-o!! 

Se o bom Deus nos permitir, estaremos aqui para partilharmos e crescermos juntos no 'SOU CATEQUISTA DE IVC"...  

Acompanhe minha mais recente loucura catequética (gente, quase morri de medo, de vergonha, insegurança, minutos antes, esqueci as falas... mas fui, empurrada, mas fui... e olha, Deus não me abandonou, no momento exato, ele me fez recordar as falas e ainda suscitou algumas que não estavam no Script... Esse nosso Deus, é lindo, CHIC demais... como posso eu desistir???)

Beijo grandão, bom descanso!!! Saudades muitas!
Imaculada Cintra

video

O DIÁLOGO DO BOI E DO BURRO Á CAMINHO DE BELEM(resumido)
CENA 1
(Surgem o Boi e o Burro, ao ritmo de uma música bem animada (jingle Bell Rock) dançando, descontraídos e examinando o ambiente.(podem envolver a platéia, tirando as crianças para dançar) Ao terminar a música, eles se colocam de cada lado do palco)
BOI: Muuuuuu!!!
BURRO: Ion!!Ion! Ion! On!on!
BOI: Burro, ei Burro. Você está notando qualquer coisa hoje?
BURRO: Não estou notando nada, não, Boi!
BOI: Você é mesmo muito burro, hein amigo? Então não está vendo que tudo está meio mudado?
BURRO: (cheirando o ar). É verdade, amigo Boi. Tudo cheira diferente por estas bandas (cheirando com barulho).
BOI: (olhando o céu). E nunca o céu esteve tão estrelado, tão perto! (continua olhando o céu, e o Burro faz o mesmo).
BURRO: Não é que é verdade, amigo Boi, não é que é verdade? Sou mesmo muito burro... Não tinha notado antes. Está tudo muito esquisito!(mudando de tom e olhando assustado para o Boi). Será que o mundo vai acabar, hem, Boi?
BOI: Talvez comece um outro mundo!
BURRO(triste): E nós? Haverá pastagens para nós dois no outro mundo?
BOI: Não sei não! (Enquanto isso, mais um susto...)
CENA 2:
(Entra a estrela de Belém, lentamente as som de uma música natalina. Ela segura uma grande estrela de papelão nas mãos. O Boi e o Burro vão seguindo a estrela com os olhosoutra opção é vestir uma menina de estrela com uma roupa dourada e máscara e posicionar num lugar elevado...)

BURRO: (Olhando assustado para a estrela). Oh!
BOI: (idem).
BURRO: A estrela parou.
BOI: Bem em cima.
OS DOIS: ... do nosso estábulo
BOI: Tudo ficou muito quieto de repente! Burro, ei Burro!!(Muito aflito, e ainda olhando para o céu). Burro!
BURRO: Que é boi?
BOI: (Aproximando-se bem do Burro, e falando quase em segredo). Estou muito desconfiado.
BURRO: De que Boi?
BOI: (Cheio de mistério). De que ele vai nascer aqui.
BURRO: (Escandalizado). Nem diga isso, Boi. Numa estrebaria tão suja, tão pobre.
BOI: Então por que tudo isto? Por que a estrela parou bem em cima?...
BURRO: (Rápido). A estrela deve ter se enganado.
BOI: (Correndo o estábulo). E este cheiro tão doce por toda a parte...
(Chegando para a cesta de capim encostada ao estábulo). Até o capim nosso de cada dia, cheira bem hoje...
(Corre  e diz à platéia, assustado). Onde já se viu isto? Pensar que ele ia nascer aqui... (Dá um salto, indo para o meio da cena, e indo nervosamente).
BURRO: (Assustado com a explosão do Boi, e segurando-o). Fica quieto, Boi. É bom irmos arrumando as coisas por aqui! (pega uma vassoura) Vamos fazer uma limpezinha, porque no caso de acontecer...
BOI: É mesmo (pega um pano e começa a limpar tudo, inclusive o rabo do burro e a própria cara) Vou buscar palha seca e fofa! (Eles saem e tornam a voltar segurando um pouco de palha. Cada um puxa a palha para seu lado e brigam)
BURRO: NÃO empurra, sou eu que arrumo!
BOI: Sou eu Burro, Sou eu! Saia Sou eu que quero arrumar a palhinha para o Menino! (Enquanto isso, mais um susto...os anjos)
CENA 3 – ANJOS
(Ouvem-se vários sininhos que vão aumentando de volume. Entram os anjinhos. Um, segurando uma vassoura prateada e bailando, vai varrendo a cena. O segundo carrega um jarro de água e o terceiro, uma bacia. Eles se encontram no meio do palco e o segundo anjo despeja água na bacia que é colocada perto da manjedoura. Dois outros, pegam as palhas espalhadas pelo Boi e pelo Burro, arrumando-as na manjedoura. O primeiro e o segundo anjos trazem uma toalhinha branca e colocam-na sobre as palhas. O terceiro anjo entra com um turíbulo, incensando todo o ambiente, inclusive o Boi e o Burro. Os anjinhos entram e saem num movimento contínuo e na ponta dos pés, como se dançassem. Durante toda a cena, os animais ficam estarrecidos, parados, um de cada lado, do palco. Quando o último anjinho sai, cessam os sininhos e o boi e o burro aproximam-se do estábulo)
CENA 4
( O boi e o burro observam a transformação do ambiente)
BURRO: Eles vieram arrumar...
BOI: Tudo está tão limpinho...
BURRO: AH! (Desconsolado, dirige-se para a platéia e encosta a cabeça em algum lugar, como se estivesse chorando)
BOI: O que é burro?
BURRO: E nós, pobres bichos, que queríamos fazer este trabalho...
BOI: (triste): Quanta pretensão!
BURRO: Não percebemos que isto era trabalho para anjos e não para um boi babento...
BOI: Nem para um burro sujo
BURRO: (conciliador) Deixa pra lá, Boi! Não vamos brigar hoje. (aproximando-se do estábulo) Tudo está pronto!
BOI: Só falta acontecer... E só nós dois aqui...
BURRO: Um burro!
BOI: um boi!
OS DOIS: Pra tamanho acontecimento!
CENA 05 – MARIA E JOSÉ
(Ao som de uma musica, entram  José e Maria, este levando Jesus debaixo do manto invisível, enquanto caminham até o palco – Música baixa, enquanto o Burro e o Boi falam).
BOI: Oh!
BURRO: Oh!
BOI: (Ternamente, mas solene). Lá vem Maria lentamente carregando o mistério.
BURRO: Parece leve como a brisa.
BOI: Parece uma gota no capim da manhã.
BURRO: Lá vem José.
(Quando José e Maria chegam bem perto do estábulo, aumenta-se o volume da música. Quando entram no estábulo, cessa a música e sinos começam a soar. Os anjinhos chegam na ponta dos pés e, sempre bailando, fazem um círculo em torno de Maria. Eles escondem Maria que, de costas para o público, coloca o Menino Jesus na Manjedoura. Os anjinhos continuam a dançar, enquanto Maria e José se colocam na posição clássica do presépio. Ela ajoelhada e ele, no outro lado, de pé, apoiado no cajado. Os anjinhos vão se afastando e saem, sempre dançando. Um foco de luz cai sobre o Menino. Música durante toda a cena. O Boi e o Burro ficam num canto, só assistindo)
CENA 06
(O boi e o Burro aproximam-se na ponta dos pés)
BOI: Que maravilha!
BURRO: (puxando o Boi) Não se aproxime tanto! Não é bom que ele veja logo nossas caras feias...
BOI: Tem razão! Ele pode se assustar! (Maria sorri para eles)
BURRO: (Emocionado): A mãe dele está sorrindo!
BOI: Pra quem? Para nós dois?
BURRO: Éééé´! Só pode ser pra nós dois?! (Eles começam a pular de alegria. Maria sorri de novo e eles vão se aproximando com cuidado)
BOI: Acho que ele ta com frio??
BURRO:  Pois então, aqueça ele com seu bafo quente neh Boi!
BOI: (experimentando o bafo na mão) Boa idéia, Burro. Até que você ficou menos burro!
BURRO: E eu, com meu rabo, espanto as moscas
(Eles dirigem-se para a platéia e diz)
BOI: Nunca imaginei ser mais do que um boi!
BURRO: E eu então? Tão burro... Tão burro... Nunca imaginei... Nós dois, um boi e um burro, ligados para sempre ao mistério.
CENA 07
(O boi e o burro afastam-se lentamente até se colocarem nas posições clássicas do presépio, cada um de um lado, atrás do Menino Jesus. Ao som de NOITE FELIZ, pastores e pastoras, entram pelo meio do teatro, depois, os reis magos com seus presentes. Todos se ajoelham para adorar o Menino. O público pode ser orientado com antecedência para também trazer suas ofertas, que serão colocadas num cesto à frente do presépio vivo e, mais tarde doadas a  irmãos carentes.)
(Essa peça é uma adaptação da obra e Maria clara Machado. O texto original encontra-se no livro Teatro I da coleção “teatro” – editora Agir)
Personagens: Boi, Burro, estrela, três ou Cinco anjinhos, Maria, José ,Três Reis Magos, Pastores.