quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Lava-pés...CELEBRANDO na catequese...


Aprendendo com o Mestre - Humildade, serviço...

O senhor amou-nos até o fim e nos deixou grandes ensinamentos, lições de cair o queixo. Dias antes de sua morte, ele poderia estar fazendo mil coisas ou sem forças pra se fazer nada, mas o que fez? Na ceia de despedida, mostra-nos com o gesto do lava-pés que devemos ser humildes, que dessa vida nada levamos, o que vai contar é a quantidade de amor com que fazemos as coisas. 



Nos ensinou que sempre temos que estar à serviço. Porque lavar os pés? Naquele época, naquele lugar, as pessoas não calçavam sapatos fechados, usavam sandálias e caminhavam por estradas de chão, em-poeiradas e sempre que chegavam em alguma casa, era costume que os serviçais lavassem os pés das visitas para depois se sentarem à mesa. Os serviçais, eles faziam isso porque estavam à serviço, mas, Jesus era Mestre e por isso os apóstolos espantaram quando ele falou que lavaria seus pés. 



E assim o fez, inclinou-se, rebaixou-se, lavou, secou e ainda beijou os pés, imagino eu que Jesus após lavar os pés, olhava fixamente no olho de cada um, transmitindo todo seu AMOR. Eu diria, é amor demais da conta, ou seria um amor sem medidas. 

A quaresma é tempo de fazer "caminho" com Jesus, para chegar à Ressurreição. Fazer caminho significa conversão e seguimento. A quaresma sempre nos propõe a olhar os gestos de Jesus e para uma verdadeira conversão.

Momento celebrativo

Depois de explicado os gestos, fizemos a celebração do lava-pés com os catequizandos... Foi emocionante! 


video

Significado dos gestos...
(Material de Marlene Bertoldi)

Vamos acompanhar os gestos praticados por Jesus no lava-pés (Jo 13, 4-11). Este aconteceu numa refeição. Estar ao redor de uma mesa é sentar-se e partilhar as alegrias, as angústias, as emoções..., também algo para comer. 

- Jesus levantou-se da mesa. Ele nos diz que é preciso sair do nosso egoísmo, mobilizar-se, ir ao encontro dos outros. 

- Tirou o manto. Jesus se esvazia de si mesmo e coloca-se na condição de servo. Ele nos ensina sobre a necessidade de despojar-se de tudo o que divide, dos fechamentos, das barreiras, dos medos, das inseguranças, que nos bloqueiam na prática do bem. 

- Pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. Jesus põe o avental para servir. "Aquele que era de condição divina, humilhou-se a si mesmo" (Fl 2, 6-8). Ele nos propõe o uso do avental do servir na disponibilidade, e na generosidade, e ainda do comprometer-se com os mais necessitados e colocar-se em último lugar. 

- Colocou água na bacia. Jesus usa instrumentos da cultura do povo: água e bacia. Repete um gesto que era feito pelos escravos ou pelas mulheres. Ele quer nos dizer que para anunciar sua proposta é preciso entender, conhecer, assumir o que o povo vive, sofre, sonha... 

- E começou a lavar os pés dos discípulos. Para lavar os pés Jesus se inclina, olha, percebe e acolhe a reação de cada discípulo. Com o lavar os pés, Jesus nos compromete a acolher os outros com alegria, sem discriminações, a escutar com paciência, a partilhar os nossos dons... 

- Enxugando com a toalha que tinha na cintura. Jesus enxuga os pés calejados, rudes e descalços de seus discípulos. São muitos os gestos que Jesus nos convida a praticar para amenizar os calos das dores de tantos irmãos: visita a doentes e idosos, organizar-se para atender crianças de rua, uma palavra de ânimo a aidéticos, valorização de nossos irmãos indígenas... 

Diante da prática de Jesus podemos nos perguntar: 
Quais os gestos concretos que nós como cristãos/ãs e catequistas, vamos assumir? Será que esta Páscoa pode ser igual a outras tantas? 

Queremos ser a Igreja do avental, que se coloca a serviço na defesa dos que mais sofrem, dos que não têm defesa. Vamos com coragem vestir o avental do servir na alegria e testemunhar todos os gestos praticados por Jesus. Só assim poderemos realizar sempre a festa da Ressurreição. 

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Gritos que ecoam...

Recadinho deixado na postagem: Cartão de missa, só se for para os pais...
http://imaculadacintra.blogspot.com.br/2012/11/concordo-com-o-cartao-de-missa-desde.html?showComment=1361907382610#c7573094769594217864

"Estou ajudando na coordenação da catequese de minha cidade e sinceramente, cogitei o uso do cartão de missa, pois por mais que os catequistas falem da importância da missa e cobrem a presença, a maioria ainda não a frequenta como deveria. Reunião de pais é um fracasso, uma meia duzia aparece. No dia da 1ª comunhão, ano passado, muitas crianças foram sozinhas, ou com irmãos, mas a presença dos pais neste dia tão especial, lamentavelmente, foi péssima. O padre sempre fala nas missas da participação dos pais, mas ainda não fluiu muito. Então no momento não sei o que fazer para melhorar a freqüência dos catequizandos nas celebrações." 

Minha querida, não sei de onde, nem quem tu és, só sei que é mais uma catequista desse imenso Brasil, gritando por socorro... E eu aqui num pontinho do interior de São Paulo, recebo o eco desse e  tantos outros gritos... Por isso, embora eu veja, faça a experiência, leia sobre os avanços que a catequese tem alcançado, chego à conclusão que estamos à caminho, mas muito, mas muito longe de uma renovação na catequese... Talvez por isso argumento, questiono, cobro o envolvimento dos bispos e do clero nessa luta pela renovação na maneira de formar cristãos... 

Não é preciso estudos para nos comprovar que aqueles tantos e tantos que se dizem católicos não foram evangelizados... Isso está sendo esfregado na nossa cara... Então, eu pergunto, até quando? Já não temos estudo, documentos suficientes que comprovam a ação do Espírito Santo gritando por uma renovação? Por que tanta resistência? E eu vou continuar gritando, até eu ver não mais um livro escrito, mas até quando eu ver a catequese sendo assumida como prioridade...

Isso que você me coloca, é o retrato, triste da maioria de nossas famílias... Católicos sem o compromisso se quer da missa dominical... Católicos praticantes? Ou você é ou não é, não existe essa coisa de meio cristão, meio católico... Quente ou frio, porque morno eu te vomito... (apocalipse 3,15)...

Então te digo, aliás, repito, o cartão de missa não vai solucionar seu problema, não é esse o 'x' da questão, o 'x' é a falta de evangelização/catequese com esse público, as famílias... Hoje não nos cabe evangelizar somente os filhos, mas aproveitar da ocasião para também evangelizar os pais, por isso se insiste na prioridade com os adultos... E eu defendo o trabalho começando na idade infantil, acreditando que serão os futuros adultos de amanhã... Caso contrário essa bola de neve de 'católicos não praticantes' continuará a crescer...

Não basta os sermões do padre na hora da homilia, ele precisa encarar com maturidade e compromisso um trabalho de anuncio, catequese com os pais... Caso, contrário, continuaremos tendo pais que nem sequer vão na celebração da Primeira Eucaristia do filho... Isso é um absurdo! Porém, esses absurdos deveriam servir não só para nos causar espantos , mas deveriam servir de impulso, motivação para mudar a maneira de formar cristãos... Se a maneira como estamos fazendo, não está atingido o objetivo, resta-nos duas opções: Chorar, escabelar-se ou tomar ATITUDE...

Não são só os catequistas que estão gritando, as famílias estão gritando... 'NÃO ENCONTRO SE QUER MOTIVOS PARA IR NA PRIMEIRA EUCARISTIA DO MEU FILHO!"

A frequência nas missas, será resultado de uma eficaz catequese, de forma natural e prazerosa... Quando eles se encontrarem, se apaixonarem pela pessoa do Cristo e entenderem toda riqueza da missa, eles irão, não por causa de um cartão, mas porque querem estar ao lado, junto com seu verdadeiro e único AMOR (Cristo)


terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

O que conseguimos enxergar???

Essa dinâmica é maravilhosa, se aplicada em nossa vida, nós dá um belo chacalhão... Porém, hoje gostaria que a leitura fosse feita, com o olhar do catequista, voltado para a realidade da catequese em sua paróquia... O que mais chama atenção, o ponto negro ou a dimensão da folha em branco? Só para refletirmos um pouquinho...

O PONTO NEGRO
Certo dia, um professor entrou na sala de aula e disse aos alunos para se prepararem para uma prova relâmpago. Todos se sentiram assustados com o teste que viria.
O professor entregou então, a folha com a prova virada para baixo, como era de costume...
Quando puderam ver, para surpresa de todos, não havia uma só pergunta ou texto, apenas um ponto negro no meio da folha.

O professor analisando a expressão surpresa de todos, disse: - Agora vocês vão escrever um texto sobre o que estão vendo.
Todos os alunos, confusos, começaram a difícil tarefa. Terminado o tempo, o professor recolheu as folhas, colocou-se na frente da turma e começou a ler as redações em voz alta.
Todas, sem exceção, definiram o ponto negro tentando dar explicações por sua presença no centro da folha.

Após ler todas, a sala em silencio, ele disse: - Esse teste não será para nota, apenas serve de aprendizado para todos nós.
Ninguém falou sobre a folha em branco. Todos centralizaram suas atenções no ponto negro. Assim acontece em nossas vidas. Temos uma folha em branco inteira para observar, aproveitar, mas sempre nos centralizamos nos pontos negros.

A vida é um presente de DEUS dado a cada um de nós, com extremo carinho e cuidado. Temos motivos pra comemorar sempre. A natureza que se renova, os amigos que se fazem presentes, o emprego que nos dá sustento, os milagres que diariamente nós presenciamos.
No entanto, insistimos em olhar apenas para o ponto negro. O problema de saúde que nos preocupa, a falta de dinheiro, o relacionamento difícil com um familiar, a decepção com um familiar, a decepção com um amigo.

Os pontos negros são tão pouco em comparação com tudo aquilo que temos diariamente, mas são eles que povoam nossa mente.
Tire os olhos dos pontos negros da sua vida. Aproveite cada benção, cada momento que Deus lhe dá.

Creia que o choro pode durar até o anoitecer, mas a alegria logo vem no amanhecer.

Tenha essa certeza, se tranqüilize e seja feliz!!!



Precisamos CAUSAR mais...

Pensando bem,  precisamos CAUSAR mais...
Quer dizer, produzir, ocasionar, provocar... 
É isso que falta,
catequista que CAUSE...

que eu cause
que tu causes
que ele cause
que nós causemos muitas mudanças em nossa catequese...

Provoque, desinstale...

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Falta amadurecimento ou defasagem na aprendizagem?

Os dois vão refletir também na catequese... Temos que estar atentos, são duas situações bem diferentes...

Catequizandos que não acompanham a turma, não dominam totalmente a escrita e a leitura... O que fazer? Você já passou por essa experiência?

Tendo em vista que todo ponto de vista é vista de um ponto, vamos tentar descobrir qual seria esse ponto...

Falta  amadurecimento?
Defasagem na aprendizagem?

Como catequista, precisamos conhecer a realidade desse catequizando, quais são suas necessidades. Se após o contato com os pais, ficar constatado que existe  uma defasagem na aprendizagem,  isso vai refletir também na catequese.  Então, precisamos respeitar e trabalhar de acordo com o que ele pode nos oferecer. Muitos, mesmo apresentando  dificuldades na escrita e leitura, conseguem assimilar a mensagem transmitida. Em outros  casos, não se trata apenas de uma defasagem, mas catequizandos portadoras de necessidades especiais, que serão acolhidos, porém é preciso que se faça um trabalho diferenciado com ele, senão não estaremos promovendo uma catequese inclusiva. Aqui reside uma de nossas maiores carências, catequistas capacitados para trabalhar a inclusão.


Por outro lado, temos a questão da falta de amadurecimento, própria da idade. Bom seria se nossos pequenos amadurecessem como a jabuticaba, uniformemente. Porém, isso não acontece, cada um tem seu tempo. Aqui, temos que ter o cuidado para não pular fases, de repente 'aquele' catequizando não está apto ainda para subir mais um degrau em sua caminhada de fé. Talvez ele deva amadurecer numa pré-catequese  com catequizandos da sua idade. Existe aí a psicologia das idades que precisa ser respeitada. A catequese não deve ser algo feito às pressas, mas sim levar em conta o amadurecimento na fé da pessoa, também na idade infantil.

Catequizandos da mesma idade... falando nisso, lembrei-me de um fato, turmas mistas,  abordarei sobre isso em breve...

Beijuuusss!! Até!






domingo, 24 de fevereiro de 2013

Entenda o significado da oração do Pai Nosso

Há algum tempo, o Arcebispo Primaz do México, Cardeal Norberto Rivera Carreira, fez um estudo aprofundado sobre a oração do Pai-Nosso e a importância de refletirmos sobre cada trecho. Ele destaca que "a confiança singela e fiel, e a segurança humilde e alegre, são as disposições próprias de quem reza o Pai-Nosso".

 Confira abaixo um resumo deste estudo e compreenda a real importância dessa oração:

"Pai Nosso" 
Contém a imagem do Pai que tanto amou o mundo e deu a este o Seu único Filho. E quando da invocação de Pai, acrescentamos "nosso", porque estamos saindo de nosso individualismo e reconhecendo em todo homem a mesma dignidade de que nos glorificamos, de sermos filhos de Deus.

"Que estais no céu" 
 
Evoca a morada do nosso Pai, o céu, a nossa pátria, nosso destino, porque o Filho desceu do céu para nos fazer subir com Ele por meio de Sua cruz e Sua ressurreição.


"Santificado seja o Vosso nome" 
Pedimos a Deus que Sua santidade se manifeste nos homens, que vença o pecado do mundo, que Sua luz dissipe as trevas do mal e Seu esplendor apareça com maior claridade para que todos os homens O reconheçam.

"Venha a nós o Vosso Reino"
 
Recordamos que o Reino de Deus é justiça, paz e gozo no Espírito Santo, que os cristãos estão comprometidos a trabalhar intensamente para que os valores do Reino do Senhor sejam vividos no mundo.

"Seja feita a Vossa vontade assim na terra como no céu"
 
Nós somos radicalmente impotentes para cumprir a vontade do Pai, por isso devemos pedir a Ele que una nossa vontade à de Seu Filho para que possamos cumprir Seus intuitos. Unidos a Jesus e com o poder de Seu Espírito, poderemos fazer a vontade do Pai.

"O pão nosso de cada dia nos dai hoje"
 
Chama os cristãos a assumir uma responsabilidade efetiva para com seus irmãos, principalmente diante das dificuldades sociais e materiais que abalam a sociedade.

"Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido"
 
O cristão deve recordar que a misericórdia não pode penetrar em nosso coração até que tenhamos perdoado os que nos ofenderam. E negar o perdão aos irmãos é fechar o coração, mantendo-o duro e impermeável ao amor misericordioso do Pai.

"Não nos deixeis cair em tentação"
 
Dá-nos a certeza de que a vitória sobre a tentação só é possível mediante a oração.

"Mas livrai-nos do mal"
 
Remete a uma pessoa: "Satanás, o maligno, o anjo que se opõe a Deus", por quem o pecado e a morte entraram no mundo. O Senhor nos garantiu que só poderemos assegurar a vitória sobre o mal se nos unirmos em Jesus Cristo, porque Ele venceu definitivamente o inimigo com Sua morte e ressurreição.


sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

CF na catequese - Pesquisa


FRATERNIDADE E JUVENTUDE
EIS-ME AQUI, ENVIA-ME (Is 6,8)

PESQUISA SOBRE A MUDANÇA DE EPÓCA DA JUVENTUDE

Passos:
1) Os catequizandos deverão pesquisar com pessoas de idade diferentes sobre sua juventude.
2) Após colherem os dados, faremos juntos uma coleta e exposição de todas as informações.
3)  Verificar as principais mudanças ocorridas: o que melhorou, o que piorou, o que devemos resgatar, o que devemos eliminar.Como poderemos fazer isso?

Questionário: 
Sabemos que a juventude depende do Espírito e não do corpo, porém essa pesquisa visa analisar a juventude de acordo com a idade vivida entre 15 e 25 anos.

1º entrevistado – mais de 50 anos
a)      Em sua época como eram os namoros? (conhecer, passear...)
b)      Como era a relação com os pais? (respeito, colaboração nos serviços ....
c)       Como viviam a religião?
d)      Como se divertiam?
e)      Quais eram seus sonhos (pessoais) para o futuro?
f)       Quais eram seus medos?

2º entrevistado – entre 30 e 40 anos
(as mesmas perguntas do 1º entrevistado)

3º entrevistado- 15 a 25 anos
 a)      Quais as maiores dificuldades em arrumar um namorado (a)nos dias de hoje?
b)      Qual sua relação com seus pais?
c)       Como você vive sua religião? Participa da comunidade? Como?
d)      Como você se diverte?
e)      Quais seus sonhos para o futuro?
f)       Quais seus medos no mundo de hoje?
g)      Se pudesse o que mudaria no mundo para os jovens?

*Entrevista elaborada por Carina Zanin - Catequista em Varginha-MG






sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Você sabia que...

... inicia hoje um Encontro com os Coordenadores dos 17 Regionais da Comissão Episcopal Pastoral para Animação Bíblico-Catquética?? 

Resumindo, essa equipe de coordenadores, reunidos até domingo, dia 17, vão tratar de assuntos pertinentes à nossa catequese. É uma maneira de pensarem juntos a catequese, envolvendo nosso Brasil inteiro. Legal não é mesmo!

Esse encontro está acontecendo em Brasília(DF), na sede das Pontifícias Obras Missionárias (POM). Você sabe onde fica esse lugar??? Eu não, mas já estou imaginando aquele grupo discutindo questões que venha beneficiar, melhorar nossa maneira de formar cristãos.

Então meus queridos catequistas, quando estamos meio que desanimados, eis que surge uma luz. Sabia que o objetivo desse encontro é partilhar entre os regionais a realidade da Iniciação à Vida Cristã, como anda o processo e as experiências vivenciadas em cada região. 

Será apresentado esquema provisório de Itinerários de Iniciação à Vida Cristã que está em processo de elaboração.

Fiquei feliz com essa notícia, pois quando participei do VII Sulão, propomos isso, a elaboração de um itinerário com LINGUAGEM FÁCIL sobre IVC, auxiliando assim quem queira provocar uma mudança na catequese.

Não será essa uma luz para quem não sabe por onde começar??? Acredito que sim!  Nós daqui, podemos rezar para que tudo seja conduzido sob a luz do Espírito Santo e que isso chegue à todos nós, inclusive àquele catequista de base...

E não é só esse assunto que será discutido nesse encontro, veja:

Durante o encontro serão estudadas também as conclusões do Sínodo dos Bispos sobre a Nova Evangelização, principalmente o que se relaciona com a Bíblia e Catequese e também o planejamento e organização das agendas para 2013.

Outro tema em destaque será o estudo sobre o Evangelho de Lucas, em vista do Mês da Bíblia/2013, orientado por D. José Antonio Peruzzo.

Devagarinho, chegamos lá, digo devagarinho, pois a caminhada é longa... Está acontecendo o encontro com coordenadores de regionais, depois no decorrer do ano acontecerá os encontros regionais, e em alguns lugares encontros diocesanos e paróquias... até isso chegar aquele catequista que está lá com a sua turminha, isso leva tempo... 

Ahhh!  mas, já pensou se usássemos a rede de blogs para espalhar essas boas notícias???  Fica a dica!!
Aguardemos juntos a Boa Notícia, resultado desse encontro de Coordenadores Regionais, estou confiante e você????

Olha só a imagem que recebi em tempo real do coordenador do regional Sul1, Padre Paulo César Gil... É a tecnologia encurtando as distâncias...




quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Somos todos diferentes

Olá! Partilhei uma sugestão de filme na minha página do facebook e resolvi colocar aqui para meus leitores que ainda não aderiram a era faceboqueana... Falando nisso, será que o blog está em baixa, porque o movimento, as curtições, os comentários estão todos lá no face... Não pretendo abandonar o meu cantinho, mesmo que não publique com tanta frequência, estarei sempre por aqui... Confesso que outro dia pensei em fechar minha conta do face, porque aquilo te envolve de uma tal maneira que você começa a se questionar se é bom ou ruim. Mas, vamos lá, isso decido com mais calma... Não deixem de assistir a esse filme, com certeza ele vai nos abrir os olhos com relação ao 'diferente"... Beijinhos!!


... e as lágrimas rolam...
de emoção, sei lá, um misto de sentimentos... quem sabe até um sentimento de omissão...


Acabei de assistir a um filme, maravilhoso, que nos faz pensar em nossa maneira de lidar com "os diferentes"(sim, diferentes, pois assim os rotulamos)... Como catequista e por opção, habilidade, trabalho com catequizandos na idade infantil, amo e acredito nelas, acredito que a construção se começa pelo alicerce... Como ter adultos cristãos??? Uma criança bem educada na fé, será o adulto cristão consciente de amanhã.

O adulto com fé infantilizada ou batizados não evangelizados, isso é outra carência que precisa ser visto com carinho...

Nós temos o terrível defeito de generalizar as coisas, com relação às crianças, dou testemunho, não porque li em livros, ou escutei da boca de algum palestrante, mas estou no meio deles e posso afirmar que existem muitos e muitos catequizandos (ainda crianças) sedentas das coisas de Deus. Por isso sou defensora do trabalho começando na idade infantil até a idade adulta. E fora disso, odeio quando tratam mal nossos pequenos, quando olham para elas como se fossem uma pedra atrapalhando a passagem, ou um bando de maritacas barulhentas...

(em off... certa vez, estava eu aguardando as crianças da catequese descerem as escadas, quando 'um dito' diz: 'Quando é que acaba isso??' Isso o que???? Isso é catequese, isso são crianças e exijo que os respeitem... Fui clara, ou quer que eu desenhe!!!!) Faça-me!!

Bem, mas to eu aqui fugindo do foco, meu assunto é 'aquela' criança que destoa da turma, que no primeiro olhar, no primeiro contato, na primeira partilha, você percebe que ela é uma 'estrelinha' especial... Aí, vc percebendo isso, a maior dificuldade é fazer com que "os ditos normais" a aceite, a respeite...

Por isso,to aqui em lágrimas, ao assistir esse filme: "Como estrelas na terra, toda criança é especial".

Cada criança tem capacidade e habilidades únicas... Cabe a nós catequistas, professores, pais, não deixar perder essas pequenas estrelas na terra.

Nossa missão é fazer com que essa pequena estrela perdida encontre seu rumo...

Cada um tem seu ritmo...

Vejo que todos nós devemos assistir a a esse filme, mesmo porque SOMOS TODOS DIFERENTES... Ou não??? 

O filme vc pode ver pelo Youtube...

by by...see you!

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Pensando com Mafalda!





Talvez não seja a hora ainda de lançar as sementes, muito menos querer colher os frutos...
...de repente, o tempo é de PREPARAR O TERRENO!

.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Realidades diferentes, dificuldades comuns...



Pais ausentes - sem consciência do papel da catequese - pais que não foram iniciados na fé, batizados não evangelizados... É cômodo para o catequista jogar a culpa de uma catequese ineficaz nos pais, porém, se isso está claro pra nós, resta-nos elaborarmos um trabalho junto aos pais, com encontros catequéticos, pois que eles fazem parte dessa bola de neve que vem crescendo de batizados que não foram evangelizados, não iniciados na fé. Como exigir, sem oferecer?? O resultado disso, são os catequizandos que temos...

Falta de formação/capacitação do catequista - o catequista desempenhando um papel de tamanha importância, sem antes ter recebido uma formação adequada... (Jesus chamava, formava e depois enviava...) A paróquia se preocupa em disponibilizar, investir na formação de seus catequistas, trazendo assessores, palestrantes?? Os catequistas participam quando são oferecidas tais formações? Eles procuram outras fontes para se formar, como a leitura de bons livros/revistas/sites confiáveis? 

Falta de apoio/presença do sacerdote - Muitas vezes todo trabalho de evangelização é delegado unicamente aos catequistas. Entendemos as várias responsabilidade de um padre dentro de uma paróquia, principalmente sendo pároco. Porém na nossa vida tudo é questão de prioridade e a catequese deveria ser a prioridade em toda paróquia. Um pai, uma mãe de família, tantos e tantos catequistas que trabalham o dia todo, a semana inteira, alguns trabalham até aos sábados e mesmo assim encontram tempo para dedicar-se à catequese... e chegando lá, não encontra apoio! Isso é frustrante, inaceitável!

Insisto, queridos catequetas, assessores diocesanos, regionais, nacional, não adianta tantos estudos, se isso não chega no coração de nossos sacerdotes... Um padre consciente, formará seus catequistas para a verdadeira IVC, esses por sua vez formados, terão condições de iniciar na fé seus catequizandos e as famílias desses catequizandos... 

Sou uma voz que clama no deserto,  só queria que alguém ouvisse a voz de uma simples catequista, aqui do interiorrrrr de São Paulo, que não só lê ou escreve sobre catequese,  mas que faz a experiência, que vive na prática, que escuta aqui e ali as angustias de tantos catequistas... As deficiências estão claras, resta-nos querer enxergá-las e AGIR. 

Padres catequetas/formadores
Catequistas comprometidos/receptivos
Catequizandos/Famílias sedentas - evangelizadas

Utopia?
Pra mim, sonho!!



"A CATEQUESE É UMA URGÊNCIA. SÓ POSSO ADMIRAR OS PASTORES ZELOSOS QUE EM SUAS IGREJAS PROCURAM RESPONDER CONCRETAMENTE A ESSA URGÊNCIA, FAZENDO DA CATEQUESE UMA PRIORIDADE" (PAPA JOÃO PAULO II)"





segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Bendita seja essa Santa INQUIETAÇÃO...

InquietAÇÃO...
  1. Amadas minhas, quando Deus coloca essa inquietude em nosso coração, é porque Ele espera de nós uma atitude. Muitas vezes essa visão da necessidade da mudança não parte do coordenador e nem de um padre, mas daquele que nutre um sentimento, uma paixão verdadeira por aquilo que faz. Quem ama o que faz, nunca está contente, sempre busca se aperfeiçoar.
    Eu sou muito teimosa, demoro um tempo para dizer SIM ao que Deus me pede, mas Ele  me conhecendo não desiste, é impressionante!  Ele sabe que sempre me rendo. Tem já uns 10 anos que venho junto com algumas amigas catequistas, tentando mudar algumas coisas na catequese e nessa busca, aparece de presente o ANC, em 2009, e isso nos deu a força que precisávamos. Ele veio confirmar que nossos gritos tinha fundamento.
    Me lembro que elaboramos um plano de ação com relação ao trabalho com os pais e estava tudo certo de como aconteceria o trabalho. Pedia também formação Bíblica para os catequistas e isso tb havia ficado acertado com o sacerdote. Quando um belo dia fui chamada e o sacerdote me informa que essa formação ficaria por minha conta, que eu formaria os catequistas e também conduziria os encontros com pais. Aquilo me subiu o sangue e claro não aceitei, disse que não havia recebido formação para desenvolver tal trabalho e que ninguém poderia exigir de mim, algo que não havia recebido e num momento de furia, joguei as cartas na mesa: "EU NÃO VOU ASSUMIR TODA ESSA RESPONSABILIDADE, QUEREMOS UM SACERDOTE PARA ACOMPANHAR A CATEQUESE, CASO O SENHOR COMO PÁROCO NÃO POSSA, QUE ESCALE UM OUTRO PADRE, CASO CONTRÁRIO, DEIXE TUDO COMO ESTÁ, SÓ QUE EU, ESTOU DEIXANDO A CATEQUESE, COM MUITA DOR NO CORAÇÃO, MAS ESTOU DEIXANDO..."( até parece que a catequese ia parar, caso eu saísse, mas o que queria que entendessem, é que não iria assumir uma responsabilidade que não era minha e que queria um padre conosco)
    Nem sei onde encontrei forças pra isso, mas estava vivendo um tempo de tanta sede de mudança, que não conseguiria mais ficar do jeito que estava... OU TUDO OU NADA... Graças a Deus contávamos na época com um pároco maravilhoso, um grande catequeta (só não havia chegado ainda na catequese...). Começamos à partir daí traçar um plano de ação, com grandes mudanças... Formamos um grupo para pensar a catequese, e tudo aconteceu porque tínhamos certeza do que queríamos, estávamos alicerçados nos documentos, estudos...
    Partilho isso com vocês, para que não desistam, tenham em mãos e coração o estudo 97 da CNBB, o diretório Nacional de Catequese, o Documento de Aparecida, leia, grife e ARGUMENTE... Reze, entregue e espere o momento certo de agir, de propor...
    ESSA INQUIETAÇÃO,  é demonstração de Deus querendo usar de vocês para alguma coisa... Pensem nisso! Sei que isso aumentará um pouco mais essa inquietação, é que também estou inquieta e Ele tem me usado para alfinetar...
    Beijo grande...
    Xanda, Sueli, ontem  a liturgia foi pra nós catequistas, senti muito forte isso... Às vezes falo demais e depois fico me questionando! Mas, Jesus também virava a mesa às vezes.  Meninas, me contem por email o que se passa aí, quem sabe posso iluminar alguma coisa. Quem a janela não está tão longe assim!!

    Xanda, quero conhecer seu Bebê, envie pra mim uma foto...ok


    Oi Imaculada, a paz de Jesus esteja contigo!!!

    O seu desabafo também é o meu...aqui também é assim...não somente o padre mas as pessoas que trabalham em outras pastorais que se dizem estar a muito tempo ali, e acham que a igreja é sua casa que pode dar ordem segundo sua vontade e que as pessoas tem que aceitar e ponto. Estou lutando para ter uma catequese onde as crianças sintam vontade e desejo de vir para os encontros...já estou encontrando muitos obstáculos mas a força que me anima para continuar é muito maior que estes obstáculos
    não...como você diz tenho certeza do meu chamado e não é em vão e é por isso que vou continuar lutando por uma catequese melhor!!

    Abraço Fraterno!!
    Com Carinho,
    Sueli

  2. Olá, Imaculada, a quanto tempo, estava com saudades. Tenho pensado muito em você nos últimos dias, tive mesmo vontade de lhe escrever para compartilhar um desabafo, e hoje entro aqui e me deparo com ele. Precisei me afastar no último semestre para ter bebê, e qual não foi minha surpresa ao tentar retomar as atividades neste ano (na medida do possível, porque a maternidade tem me consumido de forma exaustiva mas maravilhosa) e me deparar com a catequese exatamente como você descreve. Isso está me consumindo, me deixa triste, desanimada, e quase que de mãos atadas. E aí vem a Liturgia da Palavra da missa de hoje dar aquela cutucada: "Antes de formar-te no ventre materno, eu te conheci; antes de saíres do seio de tua mãe, eu te consagrei e te fiz profeta das nações." E o Evangelho nos conta que Jesus era desacreditado na sua própria terra.
    E agora estou aqui, tentando escutar e entender o que Deus quer de mim, porque no momento tem uma porta se fechando aqui na nossa catequese mas não consigo ver onde tem uma janela se abrindo.
    Um beijo e um grande abraço!

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

INDIGNAÇÃO!


Poderia eu estar planejando meu final de semana, mas, sabe de verdade o que queria estar planejando agora, para esse final de semana, uma manifestação publica... Catequistas com suas faixas, de frente à casa paroquial, gritando, exigindo o apoio do padre... e quem sabe até uma greve catequética, não reinvindicando aumento de salário, pois nosso patrão é bem generoso, mas reinvindicando coisas básicas e essenciais para a catequese, necessidades que vão muito além do espaço físico... Muitas vezes o catequista, o coordenador precisa da segurança do sacerdote ao lado, apoiando, pensando, elaborando um plano de ação para o agir catequético... Isso é o mínimo que eles podem querer... Em muitos lugares, a catequese está jogada às traças... Ela ainda acontece porque existem um grupo de catequistas que tem certeza de seu chamado e fazem sua parte... Um grupo onde mesmo passando por todas as necessidades, ainda tem um brilho no olhar quando falam da catequese...


É doloroso pra mim ouvir da boca de um catequista: "Aqui, nossa catequese parece um bairro que está começando, e que não tem nada, não tem energia elétrica, água encanada, asfalto... Aqui não passa nada, nem ônibus chega, estamos abandonados..."



Isso é triste e eu não posso e não vou ficar calada, nem estagnada no meu canto. Em pleno 2013, as coisas não podem continuar assim, que me desculpem, mas nossos padres, a maioria deles, precisam avaliar sua vocação sacerdotal e sair do comodismo e começar a arregaçar as mangas para trabalhar...

Não dá mais pra empurrar com a barriga... Ou assumem ou somem... Caraca!!!!!!!

Desabafo!
Indignação!
Revolta!
Tristeza!
Inquietação!
Sinto tudo isso e muito mais nesse momento!