terça-feira, 12 de março de 2019

Encontro sobre a Quaresma


Compartilho com vocês o encontro sobre a quaresma adaptado pela catequista Carina Zanin, minha amada amiga de Varginha/MG. Sempre reforço que não tenho intenção aqui no blog de passar receitas prontas, pois sei que cada um coloca o seu tempero, o seu jeitinho... Damos dicas, sugestões, mesmo porque o Espírito Santo sempre suscita algo diferente para cada realidade.

"Muita gente tem pedido sugestões de encontro sobre a quaresma. Então vou partilhar um pouquinho do meu encontro: levei para eles um móbile de coração ,(foto) em cada parte eles escreveram as 3 práticas quaresmais. Coloquei areia no copinho de café e velinhas roxas. Fiz obstáculos na sala, pode ser cadeiras, e escrevi as tentações do mundo: mentira, preguiça, orgulho, desobediência, etc.... 

Primeiro perguntei a eles o que é quaresma, colhi tudo que eles sabem, falei um pouco das superstições que nada tem a ver com o tempo quaresmal. E então falamos sobre mitos e verdades da quaresma. Após conversar bastante sobre o assunto, lemos o evangelho de Lucas 4, 1-13, refletimos sobre o evangelho,  então falamos do nosso deserto e nossas tentações , entreguei a vela e fomos passear pelo "deserto" refletindo as tentações e que para superá-las é preciso muita oração, por isso a vela simbolizando a luz de Cristo. Na escuridão certamente tropeçaremos nos obstáculos . No final fizemos a árvore com os móbiles lembrando nossas ações na quaresma, com galho seco. Depois na Páscoa faremos outra árvore com folhas verdes e corações branco.Créditos: ideias adaptadas do blog da Imaculada Cintra." (Carina Zanin)







Abaixo, o link da postagem original, que por sinal foi ideia de uma catequista de São José do Rio Preto/SP
https://imaculadacintra.blogspot.com/2015/03/dica-de-encontro-para-o-tempo-da.html

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Desabafo de uma mãe...

"Boa noite sou cristã andei na catequese e gostava muito da minha catequista, agora tenho um filho e pós na catequese já anda no 3 ano, mas agora a catequese é muito diferente logo no 1 ano a catequista mandou os meninos fazerem um ditado a ela a dizer a oração do pai nosso, e agora quer fazer uma avaliação desde do 1 ano ate agora para ver se eles fazem a 1 comunhão e diz que os pais querem é festas, eu em casa fazemos as nossas orações falo de Deus, fiquei chateada com a catequista vou tirar o meu filho da catequese."
Amada leitora, fiquei feliz com tua visita e por teu comentário. Gostaria de conversar um pouquinho com você sobre seu relato.

Em primeiro lugar,  não tire teu filho da catequese, sua inquietação é oportuna , pois chamada oral de orações, avaliação não se concebe mais na catequese. Orações se aprende rezando e a melhor avaliação é quando o catequista percebe mudança de atitudes, gosto em participar dos encontros e da missa. Pode-se até fazer alguma atividade lúdica, como um jogo para memorizar ou avaliar o catequista (não o catequizando), mas algo descontraído,  sem peso de avaliação, muito menos punição. 

O processo de iniciação à vida cristã é permanente, o catequizando não está pronto ao abeirar-se da primeira Eucaristia, mesmo porque o sacramento não é a meta da catequese, ele acontece no decorrer da caminhada, mas a meta é  formar cristãos. 

O Espirito Santo vem agindo,  inspirando uma nova maneira de enxergar e fazer a catequese, porém,  essa mudança de mentalidade ainda não chegou em muitos lugares. Nossas paróquias, bispos, padres, catequistas, enfim, todas as pastorais, estão passando por um processo de conversão pastoral. Retirar práticas escolares, de nossos encontros catequéticos, romper com certos vícios não é tarefa fácil.

Dialogue, argumente, mostre que para você a caminhada de fé de teu filho é algo valioso. Desistir não é melhor opção. Engraçado que na época em que você fez catequese, essas práticas poderiam ser vistas como algo normal, hoje em dia,  a catequese é pra ser diferente, uma catequese experiencial, vivencial, orante, transformadora.

Não fique chateada com a catequista, talvez ela não tenha ainda recebido a formação adequada sobre as mudanças e adequações atuais. Digo isso, pois quando comecei como catequista, fiz tudo que essa catequista fez. Hoje, minha missão é conscientizar os catequistas para que não façam isso...srrsrs

Torço para que tudo se ajeite. Podemos continuar essa prosa. 
Grande abraço
Imaculada Cintra
Catequista em constante estado de feitura.

CLIQUE NESSE LINK E VEJA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO:
https://imaculadacintra.blogspot.com/2015/10/avaliacao-ou-revisao.html

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Advento



Nas correrias e ritmo acelerado da vida moderna, esperar passou a ser um desafio para as pessoas. E o tempo do Advento é o contrário disto, porque significa “tempo de espera”, de preparação próxima para a chegada do Menino Deus. São semanas que sugerem contemplação do mistério da encarnação do Verbo de Deus, aquilo que já vinha sendo anunciado pelos profetas no Antigo Testamento.
Esse tempo marca o início do Ano Litúrgico, culminando com o Natal de Jesus. Fazemos uma trajetória de reflexões fecundadas pela leitura atenta da Palavra de Deus. O Senhor nos fala pela Sagrada Escritura e nos convida a seguir seus ensinamentos de forma ativa e com responsabilidade. Ele quer de nós gestos verdadeiros de solidariedade e justiça para construirmos a paz.
No período do Advento realizamos, nas comunidades cristãs, a Novena de Natal. Aquelas que são bem preparadas apresentam uma verdadeira catequese, um anúncio querigmático da vida de Jesus. Provocam um encontro da pessoa com todo o processo da chegada do Menino-Deus, e como uma verdadeira experiência de pré-natal. É a preparação para a chegada de novos tempos.
Nos quatro domingos do Advento deve-se descobrir que o “Senhor é a nossa justiça”, e que o evento “Natal” expressa um gesto bonito e carregado da solidariedade de Deus para com o seu povo. Quem nasce deve ter o direito de viver, de conviver, de ir e vir, de um fim natural e de construir a “cidade de Deus”, cidade de respeito e dignidade do ser humano e de fraternidade verdadeira.
Todo esse cenário faz parte do projeto já anunciado no longínquo passado bíblico. Nada acontece por acaso, porque Deus é o Senhor da história. Mesmo em acontecimentos terríveis da chegada dos fins dos tempos, provocados pela própria natureza, esses fatos não podem ser causadores de desânimo e desestímulo para a vida, porque Deus caminha com seu povo e não o deixa desamparado.
No Advento as pessoas devem estar abertas para a escuta da “fala” de Deus e ao convite para seguir sua vontade. Abertura também para superar as infidelidades contra o projeto de vida, o descuido com a prática da verdade e da justiça e se apoiar na força da esperança. Portanto, Advento é um caminhar totalmente ancorado na vigilância e na espera da vinda do Senhor no dia do Natal.
Dom Paulo Mendes Peixoto
Arcebispo de Uberaba.